Produtor antecipa compra de defensivos como proteção ao risco cambial

sexta-feira, 5 de julho de 2013 17:25 BRT
 

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO, 5 Jul (Reuters) - As vendas de defensivos agrícolas saltaram 28 por cento até maio, com produtores buscando se proteger da alta do dólar, que deve pesar sobre os custos de produção da safra 2013/14, uma vez que os principais insumos agrícolas têm preços dolarizados, disse o diretor-executivo da associação que reúne a indústria.

"Agora é entressafra, o que vemos é que tem mais produtor fazendo hedge, compra antecipada... para se proteger do risco cambial", disse o diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), Eduardo Daher, em entrevista à Reuters.

O executivo pondera que, passado este período, as compras devem ceder para níveis mais próximos do estimado pela indústria, que prevê um crescimento de 8 a 10 por cento nas vendas de defensivos, para perto de 19 bilhões de reais neste ano.

Para a Andef, o crescimento da receita em reais do setor de agroquímicos será puxado pelo efeito câmbio, o aumento de área cultivada e reforço nos cuidados técnicos com a lavoura, em meio à melhor rentabilidade do setor, que estimula os investimentos.

Tradicionalmente, as vendas de defensivos são mais fortes no segundo semestre do ano, quando os produtores estão em fase de preparação para o cultivo da safra de verão.

Entre janeiro e maio deste ano, as vendas de defensivos agrícolas --incluindo herbicidas, fungicidas, inseticidas e acaricidas-- somaram 4,823 bilhões de reais, segundo os dados compilados pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola (Sindag).

O diretor da Andef lembra que, em um primeiro momento, o dólar alto é favorável ao produtor, uma vez que reforça as oportunidades de venda e aumenta a rentabilidade, mas depois é preciso incluir na conta o custo deste câmbio valorizado, que impacta nas compras de insumos.

"O dólar para cima é o capítulo mais alegre da novela do produtor e exportador brasileiro; mas no primeiro dia. No mês seguinte, ele lembra que paga em dólar pelo fertilizante e o ingrediente ativo (defensivos)", disse Daher.   Continuação...