July 9, 2013 / 1:58 PM / 4 years ago

Por emergentes, FMI corta estimativa de crescimento global

3 Min, DE LEITURA

Logo do Fundo Monetário Internacional afixado na fachada da sede da instituição em Washington. O FMI reduziu nesta terça-feira suas estimativas para o crescimento global pela quinta vez desde o início do ano passado, devido à desaceleração dos mercados emergentes e à prolongada recessão na Europa. 18/04/2013.Yuri Gripas

Por Anna Yukhananov

WASHINGTON, 9 Jul (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu nesta terça-feira pela quinta vez desde o início do ano passado suas estimativas para o crescimento global, devido à desaceleração dos mercados emergentes e à prolongada recessão na Europa.

Em sua avaliação do meio do ano sobre estado da economia mundial, FMI também advertiu que o crescimento global pode desacelerar ainda mais se a retirada do enorme estímulo monetário nos Estados Unidos levar a uma reversão dos fluxos de capital e reduzir o crescimento nos países em desenvolvimento.

O FMI cortou sua previsão para o crescimento global em 2013 a 3,1 por cento, mesmo ritmo de expansão do ano passado, mas abaixo da previsão de 3,3 por cento divulgada em abril. O Fundo também reduziu sua previsão para 2014 a 3,8 por cento, ante previsão anterior de 4 por cento.

Desde abril do ano passado, o Fundo reduziu em todos os principais relatórios sua previsão de crescimento para 2013, após ter projetado inicialmente que a economia global iria expandir em até 4,1 por cento este ano.

Os mercados emergentes, que tinham sido anteriormente o motor da recuperação global, contribuíram para a piora da perspectiva, no relatório intitulado "Dores do Crescimento". O FMI reduziu sua previsão de crescimento em 2013 dos países em desenvolvimento para 5 por cento, incluindo uma previsão menor para os Brics -- China, Brasil, Rússia, Índia e África do Sul.

O órgão com sede em Washington disse que subestimou a profundidade da recessão na Europa, e também não esperava que os Estados Unidos iriam adotar cortes de gastos que contribuíram para um crescimento menor.

Um importante estrategista do Goldman Sachs disse na semana passada que os investidores vão pagar um preço alto por terem apostado muito no mundo em desenvolvimento, onde os países desde a China ao Brasil estão tendo que lidar com menores expectativas de crescimento e a possibilidade de distúrbios sociais.

"Os riscos de desaceleração mais duradoura do crescimento das economias emergentes aumentaram, devido às restrições domésticas de capacidade, menor crescimento do crédito e condições externas fracas", disse o FMI na atualização do seu World Economic Outlook.

O Fundo disse que a recente a volatilidade nos mercados financeiros foi uma reação temporária ao menor crescimento nos países emergentes e às incertezas sobre quando o Federal Reserve, o banco central dos EUA, começaria a reduzir seu programa de compra de títulos.

Mas se a volatilidade continuar, a perspectiva para o crescimento poderia ser ainda pior, disse o FMI.

O FMI também previu que a zona do euro continuará em recessão neste ano, com contratação de 0,6 por cento, antes de se recuperar ligeiramente no próximo ano com um crescimento um pouco inferior a 1 por cento. (Tradução Redação São Paulo, + 5511 56447719; RBS AAP)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below