Inflação na China acelera e limita espaço para afrouxo monetário

terça-feira, 9 de julho de 2013 12:46 BRT
 

PEQUIM, 9 Jul (Reuters) - A inflação anual ao consumidor da China acelerou mais do que o esperado em junho, mas os preços ao produtor registram deflação pelo 16º mês consecutivo, ressaltando o dilema do banco central da China em relação aos riscos de longo prazo para a inflação enquanto a economia desacelera.

O banco central deve manter sua política monetária em grande parte neutra no curto prazo para afastar a inflação, bem como possíveis bolhas imobiliárias, dizem analistas.

"Acreditamos que os dados de inflação não vão mudar a política monetária. Não achamos que o banco central vai aumentar ou reduzir as taxas de juros neste ano ", disse Li Wei, economista do Standard Chartered Bank, em Xangai.

O Escritório Nacional de Estatística divulgou nesta terça-feira que a inflação anual ao consumidor acelerou para 2,7 por cento em junho, ante 2,1 por cento em maio, em parte devido à base de comparação. Mesmo com a aceleração, a inflação ao consumidor continua abaixo da meta do governo de 3,5 por cento ao ano.

Embora a inflação deva continuar benigna nos próximos meses na ausência de uma recuperação econômica, o BC chinês está preocupado com os riscos inflacionários de longo prazo, o que poderia complicar a política monetária, especialmente se os preços dos imóveis continuarem subindo.

O Escritório de Estatísticas também divulgou que os preços ao produtor caíram 2,7 por cento em junho na comparação anual, ante recuo de 2,9 por cento em maio.

Pesquisas da Reuters mostrou que os economistas esperavam inflação ao consumidor de 2,5 por cento na comparação anual em junho, e queda de 2,7 por cento dos preços nos portões das fábricas.

Na variação mensal, os preços ao consumidor se mantiveram estáveis, diante de uma queda de 0,2 por cento esperada pelos economistas.

(Por Equipe de Economia da China)

 
Funcionário arruma roupas sob cartazes com preços em supermercado de Hefei, na província de Anhui, China. A inflação anual ao consumidor da China acelerou mais do que o esperado em junho, mas os preços ao produtor registram deflação pelo 16º mês consecutivo, ressaltando o dilema do banco central da China em relação aos riscos de longo prazo para a inflação enquanto a economia desacelera. 9/07/2013. REUTERS/Stringer