Bancos espanhóis querem apoio de 30 bilhões de euros do governo

sexta-feira, 12 de julho de 2013 13:30 BRT
 

MADRI, 12 Jul (Reuters) - Os bancos espanhóis estão pressionando o governo para transformar até 30 bilhões de euros (39,16 bilhões de dólares) de ativos fiscais diferidos (DTA, na sigla em inglês) em créditos tributários para aumentar seu capital sob as novas regras internacionais, disseram três fontes do setor.

Os bancos espanhóis estão sob pressão para fortalecer seu patrimônio após a limpeza de suas carteiras no ano passado, após o colapso do mercado em 2008, que deixou muitos no vermelho. Os bancos mais fracos tiveram de ser socorridos, usando 42 bilhões de euros (54,77 bilhões de dólares) de fundos europeus.

Mas outros que tiveram que recorrer a seus acionistas ou vender ativos provavelmente vão sofrer se não tiverem permissão para salvar parte de seus ativos fiscais diferidos (DTAs).

Segundo as regras mais rígidas de Basileia III, a maioria das formas de DTAs não poderá mais contar como capital, afetando os bancos de médio porte espanhóis.

Os bancos espanhóis pedem agora ao governo para converter entre 15 bilhões e 30 bilhões de euros de seus DTAs em créditos tributários, que o governo seria obrigado a honrar, disseram as fontes bancárias.

(Por Jesús Aguado)