Fitch rebaixa rating da França em orçamento, economia preocupa

sexta-feira, 12 de julho de 2013 17:14 BRT
 

Por Luciana Lopez e Ingrid Melander

NOVA YORK, 12 Jul (Reuters) - A França teve seu rating rebaixado nesta sexta-feira, representando um revés para o presidente François Hollande que luta para controlar as finanças públicas e reativar uma economia estagnada.

A agência de classificação de risco Fitch rebaixou a classificação da França para "AA+", ante "AAA", citando uma deterioração na perspectiva da dívida do país e ambiente econômico incerto do país em meio à crise na zona do euro.

A França já havia perdido a classificação triplo A da S&P e da Moody's no ano passado.

Em explicação sobre o rebaixamento, a agência citou várias causas da preocupação: a fraca produção econômica, o aumento da taxa de desemprego, o déficit orçamentário e a leve demanda externa, entre outras.

Há riscos para as projeções fiscais, disse a agência em declaração, mantendo uma previsão estável sobre seu novo rating. "A prolongada relação da dívida (com o PIB) por mais tempo reduz o espaço fiscal para absorver mais choques adversos", afirmou.

A Fitch elevou a estimativa para a França conseguir reduzir sua dívida. A agência prevê que a dívida bruta do governo atinja o ponto máximo de 96 por cento do PIB em 2014 e apenas caia gradualmente no longo prazo, mantendo-se em 92 por cento em 2017", informou a Fitch em comunicado.

Já o governo projeta que seus esforços para reduzir os gastos públicos levará a uma redução da dívida para em torno de 88 por cento.

A Standard & Poor's classifica o país como "AA+" e a Moody's como "Aa1". Ambas têm perspectiva negativa, o que significa que provavelmente vêm outra queda do rating.

A crise da dívida soberana da zona do euro provocou tensão na união monetária, mesmo com as principais economias como a França e a Alemanha sentindo o impacto.

O PIB francês, estável em 2012, tem expectativa de queda de 0,3 por cento em 2013 antes de crescer 0,6 por cento em 2014, de acordo com a mediana das previsões de pesquisa Reuters desta semana.