Grécia tem greve contra cortes no setor público; protestos ganham força

terça-feira, 16 de julho de 2013 09:22 BRT
 

Por Renee Maltezou

ATENAS, 16 Jul (Reuters) - Trens pararam e hospitais se limitaram a atender casos de emergências na Grécia nesta terça-feira, dia de greve em protesto contra a provável demissão de milhares de funcionários públicos.

O governo grego precisa promover reformas e reduzir os serviços públicos para continuar recebendo dinheiro de credores internacionais, mas o novo plano para a demissão de funcionários públicos gerou indignação na Grécia, onde o desemprego já se aproxima de 27 por cento.

Mais de uma semana de passeatas de funcionários municipais deve culminar em um comício em frente ao Parlamento. Garis, motoristas de ônibus, bancários e jornalistas estão entre as categorias que decidiram aderir.

"Estamos continuando sua luta para colocar um fim às políticas que aniquilam os trabalhadores e levam a economia a uma recessão ainda maior", disse o sindicato GSEE, da iniciativa privada, que convocou a greve geral com o Adedy, do setor público. "Vamos nos levantar frente àqueles que, com escolhas erradas e sem saída, levaram o povo grego à pobreza e ao desespero."

Aeronautas e aeroviários farão uma paralisação de quatro horas em solidariedade aos funcionários públicos, o que deve perturbar pousos e decolagens em Atenas.

Os transportes públicos urbanos serão afetados por paralisações de manhã e à noite. Órgãos tributários e serviços municipais permanecem fechados.

Representando cerca de 2,5 milhões de trabalhadores, os dois sindicatos trazem seus filiados às ruas sucessivamente desde que a Grécia mergulhou numa crise da dívida, no final de 2009.

Na quarta-feira, o Parlamento vota reformas definidas em conjunto com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional para conceder um resgate financeiro de 6,8 bilhões de euros (8,9 bilhões de dólares) ao governo.   Continuação...

 
Policiais municipais participam de protesto contra o corte de empregos no setor público, em frente ao parlamento grego, em Atenas. Trens pararam e hospitais se limitaram a atender casos de emergências na Grécia nesta terça-feira, dia de greve em protesto contra a provável demissão de milhares de funcionários públicos. 15/07/2013. REUTERS/Yorgos Karahalis