Com PIB fraco, governo aposta que controle da inflação será notícia boa em 2013

quarta-feira, 17 de julho de 2013 16:39 BRT
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA, 17 Jul (Reuters) - Acuado por sinais fracos da atividade econômica e pela recente onda de protestos vista no país, o governo sofre com a falta de mensagens positivas capazes de reanimar o setor produtivo. Por isso, baterá na tecla de que a queda dos preços será a boa notícia do ano.

Isso mesmo com expectativas de que a inflação, mesmo cedendo, ficará elevada neste ano.

"A inflação voltou a cair e isso se manterá. Não teremos crescimento alto, mas será maior que o de 2012, com a economia mundial rateando e com a China desacelerando", disse à Reuters uma graduada fonte do governo, dando o tom do discurso oficial após um semestre de resultados fracos.

Neste ano, segundo projeção de economistas consultados na pesquisa Focus, do Banco Central, o Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer apenas 2,31 por cento, melhor que o 0,9 por cento de 2012, mas bem abaixo dos 3 por cento que o governo almeja.

No Ministério da Fazenda, a avaliação é de que as melhores notícias estarão relacionadas ao comportamento dos preços, e não ao nível de atividade. O raciocínio é de que a inflação sob controle é condição para o crescimento.

"A política monetária está ativa no combate à inflação e a política fiscal está sendo manobrada para ser neutra ou levemente contracionista", comentou uma fonte da Fazenda, sob condição de anonimato.

A pasta chefiada por Guido Mantega tem informações de que a inflação de julho será bem menor que a de junho, que ficou em 0,26 por cento pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que baliza as metas do governo.

Apesar da desaceleração em junho, no acumulado em 12 meses o IPCA ficou em 6,70 por cento, acima dos 6,50 por cento do teto da meta do governo --de 4,5 por cento com margem de dois pontos percentuais.   Continuação...