Wall Street fecha em alta com sinais de flexibilidade do banco central dos EUA

quarta-feira, 17 de julho de 2013 19:13 BRT
 

NOVA YORK, 17 Jul (Reuters) - As ações norte-americanas fecharam em alta nesta quarta-feira, depois que o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse que o cronograma para a redução do programa de estímulo do banco central norte-americano não é imutável.

Os três principais índices de ações dos Estados Unidos se recuperaram da queda de terça-feira, que interrompeu a série de oito dias de ganhos do S&P 500.

O índice Dow Jones subiu 0,12 por cento, a 15.470 pontos, enquanto que o S&P 500 teve alta de 0,28 por cento, a 1.680 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq ganhou 0,32 por cento, a 3.610 pontos.

As ações do Bank of America e do Yahoo subiram depois de ambas as empresas divulgarem resultados trimestrais mais fortes do que o esperado, dando mais impulso ao S&P 500.

Bernanke disse que o banco central dos EUA ainda espera começar a reduzir seu enorme programa de compra de títulos até o fim do ano, mas que o cronograma depende da perspectiva econômica.

"Ele ainda está sendo bastante vago ao descrever exatamente o que esperar em seguida, e eu acho que isso serve a seus propósitos. Ele está tentando minimizar o impacto nos mercados da mudança de política", disse o gerente de portfólio da Federated Investors, Lawrence Creatura.

Os comentários de Bernanke no dia 22 de maio provocaram uma queda de quase 6 por cento no S&P 500 no mês seguinte. Mas observações posteriores dele e de outras autoridades do Fed desde então acalmaram o mercado e anularam as perdas.

As ações do Yahoo subiram 10,3 por cento, a 29,66 dólares, nível mais alto desde maio de 2008. Embora os resultados do Yahoo terem sido em sua maioria sem brilho, a notícia de sua participação na empresa chinesa de e-commerce Alibaba ajudou a puxar as ações.

As ações do Bank of America subiram 2,8 por cento, enquanto as do BNY Mellon Corp avançaram 1,9 por cento. Os dois bancos, que divulgaram seus resultados trimestrais, lideraram a alta do setor financeiro.