Dólar fecha em leve queda ante o real, em dia volátil e com atuação do BC

quinta-feira, 18 de julho de 2013 17:31 BRT
 

Por Tiago Pariz

SÃO PAULO, 18 Jul (Reuters) - O dólar operou em vaivém nesta quinta-feira em relação ao real, mas acabou fechando com leve queda graças à atuação do Banco Central por meio de leilão de swap cambial tradicional diante do movimento especulativo originado no mercado futuro.

O dólar fechou em leve queda de 0,09 por cento, para 2,2251 reais na venda, depois de atingir a mínima de 2,2170 reais e a máxima de 2,2431 reais. O volume ficou em cerca de 2 bilhões de dólares, de acordo com dados da BM&F.

"A atuação do BC, ao antecipar a rolagem dos swaps, fez o mercado tomar tudo e indicar que a demanda para essa operação está alta", afirmou o diretor de câmbio da Pioneer Corretora, João Medeiros, ressaltando, por outro lado, que a liquidez está reduzida.

No leilão, realizado pela manhã, o BC vendeu integralmente o lote de 20 mil contratos de swap tradicional --equivalente à venda de dólares no mercado futuro--, movimentando quase 1 bilhão de dólares, dando início ao processo de rolagem de 114,3 mil contratos que vencem no dia 1º de agosto próximo.

No momento do leilão, o dólar inverteu a alta da abertura e passou a cair, movimento que permaneceu por mais tempo após o resultado do leilão e do anúncio de mais uma oferta com as mesmas características para a manhã de sexta-feira.

Segundo um operador de um banco nacional, que pediu anonimato, os movimentos no mercado cambial nesta quinta-feira foram determinados pelo mercado futuro de dólar, numa ação especulativa vindo de investidores que buscavam elevar a cotação da moeda norte-americana.

"Não tem algo específico. Tem investidor de tudo quanto é tipo tentando puxar a cotação no futuro", disse o operador, acrescentando que a ação do BC conseguia limitar esses movimentos.

Se no mercado à vista a liquidez ficou pequena, no futuro teve maior agitação com movimentos de investidores tentando puxar a alta da moeda norte-americana. "O BC está interferindo para tentar conter o efeito gangorra na cotação", afirmou o diretor-executivo da NGO, Sidnei Nehme.

No mercado futuro, o contrato de dólar para agosto caía 0,02 por cento, a 2,2325 reais. Na mínima do dia, a cotação já foi a 2,2240 reais e, na máxima, a 2,2485 reais.

A captação do Banco do Brasil de 700 milhões de euros no exterior chegou a causar expectativa no mercado de que a operação movimentasse o câmbio, mas o banco estatal vai manter o dinheiro no exterior para compôr seu caixa.