Fitch reafirma rating "BBB" do Brasil e vê correções no rumo

quinta-feira, 18 de julho de 2013 18:54 BRT
 

SÃO PAULO, 18 Jul (Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch reafirmou nesta quinta-feira o rating soberano do Brasil em "BBB", com perspectiva estável, afirmando que há sinais de correções no rumo do país.

Depois do que chamou de "erros pelas autoridades no últimos meses" e um ambiente econômico difícil, a Fitch avalia que os recentes ajustes na política, incluindo a aceleração do ciclo de alta de juros, a maior flexibilidade do câmbio e uma ênfase renovada na disciplina fiscal, são fatores para "promover o investimento privado em infraestrutura e no setor de petróleo".

"A Fitch acredita que há sinais de correções da política que, se sustentados, poderão ajudar a restaurar a confiança e a aumentar a consistência das políticas econômicas. Além disso, a deterioração fiscal observada no Brasil e as métricas de crédito externo estão dentro do nível de tolerância de seu rating atual", disse a agência.

A decisão da Fitch contrasta com a tomada pela Standard & Poor's no começo de junho, quando colocou a nota brasileira em perspectiva negativa pelo fraco crescimento e política fiscal expansionista, indicando que pode rebaixar a nota do país no período de dois anos.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse à Reuters que ficou satisfeito com a decisão da Fitch de manter a nota brasileira. "Me parece ser uma decisão justa. A composição da dívida brasileira melhorou. Além de ter caído frente ao PIB, ela foi alongada", disse o ministro.

Para a Fitch, o câmbio flutuante, as reservas internacionais e os instrumentos para lidar com a volatilidade do real mitigam riscos advindos de um cenário internacional menos favorável.

A Fitch estima que a inflação no Brasil ficará próxima de 6 por cento neste ano e projeta crescimento da economia de 2,5 por cento em 2013 e de 3,2 por cento em 2014.

A agência alertou que a projeção de déficit fiscal do Brasil acima de 3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) no período 2013-15 deve ser maior do que a mediana de pares globais, e que a dívida pública bruta acima de 55 por cento do PIB é maior do que a mediana de países com rating "BBB".

( Reportagem de Cesar Bianconi, Luciana Otoni e Alonso Soto)