Fundos preferem Brent apesar de alta do petróleo dos EUA

sexta-feira, 19 de julho de 2013 16:48 BRT
 

LONDRES, 19 Jul (Reuters) - Fundos de pensão e de hedge, que investem em commodities, poucas vezes tiveram tanto consenso sobre a sua preferência por um contrato de petróleo.

Apesar de uma alta nos futuros do petróleo dos EUA em julho, que pegou muitos fundos de surpresa, investidores dizem que a força está do lado do Brent, referência no mercado europeu, apesar de uma tendência de que a relação entre os dois contratos permanecerá volátil.

Ao longo da última semana, o prêmio do Brent sobre o petróleo norte-americano, habitualmente conhecido como West Texas Intermediate (WTI), caiu bastante.

Nesta sexta-feira, a diferença se inverteu, e o WTI chegou a ser negociado com prêmio de 0,06 dólar ante o Brent, pela primeira vez desde outubro de 2010.

Muitos investidores foram pegos de surpresa pelo movimento, que acompanhou uma redução dos estoques em Cushing, Oklahoma, ponto de entrega física do WTI, referência para os futuros do petróleo norte-americano, parcialmente devido a enchentes que atrapalharam a chegada do produto.

Entretanto, esse movimento deve ser momentâneo. Os investidores têm preferido o Brent em detrimento do WTI porque o boom do petróleo nos Estados Unidos e a localização de Cushing, isolada das refinarias costeiras, devem pressionar a performance de preço do WTI. Por outro lado, o Brent se beneficia de prêmios de risco geopolítico e aperto na oferta regional.

"Todo mundo esperava que os fundamentos do WTI melhorassem, mas talvez não tão rápido", disse Fabien Weber, co-gestor do fundo de commodities Julius Baer, que administra 255 milhões de dólares. "Os investidores de fundos de pensão europeus têm dado mais peso ao Brent do que ao WTI."

Esses investidores têm tido menos sucesso do que se tivessem uma exposição maior ao WTI.

No entanto, gestores de fundos de pensão, que olham para o dinheiro a longo prazo, dizem que vão manter suas posições com o Brent uma vez que esperam que os índices de commodities serão rebalanceados em favor do Brent e em detrimento do WTI até o fim de 2013.   Continuação...