Dólar sobe 0,69% sobre o real, apesar de ação do BC

sexta-feira, 19 de julho de 2013 17:35 BRT
 

Por Tiago Pariz

SÃO PAULO, 19 Jul (Reuters) - O dólar avançou em relação ao real nesta sexta-feira, apesar de o Banco Central ter feito nova intervenção no câmbio, com investidores aproveitando a queda acumulada na semana para embolsar lucros.

O dólar subiu 0,69 por cento, a 2,2405 reais na venda. O volume estava ficou em torno de 2,3 bilhões de dólares, de acordo com dados da BM&F, melhorando em relação aos últimos dias, quando girou em torno de 1 bilhão de dólares.

"Prevaleceu uma realização de lucro em moedas latino-americanas, que registraram bons rendimentos na semana", afirmou o estrategista-chefe do banco WestLB, Luciano Rostagno. Apesar da alta no dia, o dólar se desvalorizou 1,17 por cento sobre o real nesta semana, após duas semanas consecutivas de alta.

O movimento ocorreu em outras moedas latino-americanas na variação semanal. O dólar perdeu 2,10 por cento em relação ao peso mexicano, 1,20 por cento sobre o peso colombiano e o 0,30 por cento sobre o peso chileno.

Essas divisas ganharam fôlego após os comentários do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, na Câmara e no Senado dos EUA nesta semana terem suavizado a possibilidade de redução iminente do programa de estímulo monetário do país, aumentando apetite dos investidores por risco.

Além disso, contribuiu para a maior atratividade do real a alta da Selic em 0,5 ponto percentual, para 8,5 por cento ao ano, decidida na semana passada pelo BC brasileiro que, por consequência, melhora o rendimento de parte dos ativos brasileiros.

Apesar dessa desvalorização pontual na semana, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse em entrevista à Reuters acreditar que as moedas de países emergentes vão se acomodar em um novo patamar, mas desvalorizadas em relação ao patamar anterior aos novos sinais do Fed.

"Os câmbios dos países emergentes não voltarão aos patamares anteriores, ficará todo mundo com um câmbio um pouco mais desvalorizado do que estava antes do início dessa turbulência e teremos competitividade maior para exportamos para os EUA", disse Mantega.   Continuação...