Ação da CPFL Renováveis cai quase 4% em 1º dia na Bovespa

sexta-feira, 19 de julho de 2013 17:50 BRT
 

Por Ana Flávia Rochas

19 Jul (Reuters) - A ação da CPFL Renováveis encerrou em queda de quase 4 por cento seu primeiro dia de negociações na Bovespa, após a companhia ter realizado sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

O papel da empresa de energias renováveis do Grupo CPFL Energia fechou o dia com baixa de 3,92 por cento, cotado a 12,02 reais. O Ibovespa --índice que reúne as principais ações do mercado doméstico, do qual a CPFL Renováveis não faz parte-- teve baixa de 0,54 por cento.

Os papéis já tinham sido precificados no preço mínimo da faixa indicativa da operação, de 12,51 reais por ação.

Segundo analistas, a companhia realizou sua oferta pública inicial de ações em um momento ainda não muito bom para esse tipo de operação no que diz respeito à confiança dos investidores.

"O cenário ainda não tem sido dos mais favoráveis para qualquer tipo de operação nova. O contexto doméstico não tem animado os investidores", disse o economista-sênior da Tendências Consultoria, Silvio Campos, ao mencionar intervenções do governo no setor elétrico e as dificuldades de empresas do Grupo EBX, que têm afetado a percepção de investidores.

O IPO da CPFL Renováveis é o primeiro a ser realizado no Brasil desde abril, depois das operações bilionárias da BB Seguridade, braço de seguros do Banco do Brasil, e da Smiles, empresa de fidelização da Gol.

A operação da empresa previa que BTG Pactual e Previ, fundo de pensão dos empregados do Banco do Brasil, garantissem o negócio, caso não houvesse demanda do mercado.

A CPFL Renováveis é a 130ª empresa a abrir capital no Novo Mercado da BM&FBovespa. A companhia investe em empreendimentos de geração de energia eólica, solar, pequenas centrais hidrelétricas e térmicas a biomassa.

"Esperamos que outras empresas do setor sigam essa mesma trajetória (de realização de IPOs). Com isso, há pulverização no investimento no setor", disse a presidente da Associação Brasileira de Energia Elétrica (Abeeólica), Elbia Melo, durante a cerimônia de estreia da empresa na BM&FBovespa.