Premiê japonês promete manter foco em economia após vitória em eleição

segunda-feira, 22 de julho de 2013 12:32 BRT
 

Por Linda Sieg

TÓQUIO, 22 Jul (Reuters) - O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, fortalecido pela vitória na eleição do fim de semana, prometeu nesta segunda-feira permanecer focado em reanimar a economia e buscou conter suspeitas de que ele possa mudar a ênfase para sua agenda nacionalista.

A vitória na eleição para o Senado no domingo cimentou o poder de Abe e lhe deu um mandato mais forte para sua prescrição de reanimar a terceira maior economia do mundo.

Ao mesmo tempo, isso poderia dar aos parlamentares de seu Partido Democrático Liberal, alguns com pouco apetite para reformas dolorosas porém vitais, mais poder para resistir à mudança.

"Se recuarmos as reformas e retornarmos ao velho Partido Democrático Liberal, perderemos a confiança do povo", disse Abe em entrevista à imprensa nesta segunda-feira.

Ele enfatizou que sua prioridade continua sendo avançar com o programa conhecido como "Abenomics" de política monetária ultrafrouxa, gastos do governo e reforma econômica, descrevendo-o como a base para outras metas de política.

"Não é fácil superar 15 anos de deflação", disse Abe. "É um projeto histórico. Vamos nos concentrar nisso. Não conseguiremos fortalecer a base financeira para securidade social sem uma economia forte. O mesmo se dá para segurança e diplomacia."

O partido de Abe e seu parceiro de coalizão, Novo Komeito, conquistou 76 dos 121 assentos em disputa. Junto com os assentos que não participaram da eleição, o bloco tem agora 135 assentos no Senado formado por 242.

A vitória também levanta chances de haver um líder japonês de longo prazo pela primeira vez desde que acabou o raro mandato de cinco anos do reformista Junichiro Koizumi em 2006.   Continuação...

 
Primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, aponta para repórter durante coletiva de imprensa após a vitória de sua coalizão nas eleições para o Senado, em Tóquio. Abe prometeu nesta segunda-feira permanecer focado em reanimar a economia e buscou conter suspeitas de que ele possa mudar a ênfase para sua agenda nacionalista. 22/07/2013. REUTERS/Issei Kato