22 de Julho de 2013 / às 13:13 / em 4 anos

China está comprometida com reformas--vice-premiê

Por Langi Chiang e Jonathan Standing

PEQUIM, 22 Jul (Reuters) - A China permanece comprometida em direcionar sua economia para o consumo como o principal motor do crescimento, e afastá-la do investimento e das exportações, e irá ajustar as políticas para lidar com qualquer desaceleração prolongada, disse o vice-primeiro-ministro, Zhang Gaoli, em declarações publicadas no site do governo nesta segunda-feira.

Zhang disse que a China vai se ater à sua política monetária prudente, mas adotará medidas decisivas para sustentar uma infraestrutura razoável e investimentos em bem-estar social, assim como desenvolver o setor exportador, a indústria de serviços e pequenas empresas, disse ele após viagem no fim de semana à província de Guizhou.

As declarações dele, publicadas nesta segunda-feira, foram feitas após o banco central da China eliminar o piso sobre as taxas de empréstimo, em uma reforma aguardada que sinalizou a determinação da nova liderança em realizar reformas orientadas pelo mercado.

A ação manteve altas as expectativas sobre com que rapidez o novo governo chinês, liderado pelo presidente Xi Jinping, avançará com as reformas que visam a impulsionar o crescimento de longo prazo do país sem exacerbar uma desaceleração no curto prazo.

“Estamos comprometidos em acelerar a reestruturação econômica para melhorar a qualidade do crescimento”, disse Zhang segundo comunicado no site do governo, www.gov.cn.䈀

“Temos que fazer um ajuste fino preventivo (de política) de maneira apropriada e no momento certo”, completou ele

“Temos que tomar medidas fiscais, financeiras e de preço decisivas para sustentar um investimento razoável em infraestrutura, projetos de bem-estar social, o setor de serviços, exportadores e as pequenas e médias empresas.”

Zhang repetiu a linha oficial de que o crescimento da China ainda está dentro de uma faixa razoável e que o ambiente econômico está ficando mais complicado.

O crescimento na segunda maior economia do mundo desacelerou em nove dos últmos 10 trimestres e as exportações caíram em junho pela primeira vez em 17meses.

Mudanças nos fluxos de capital formam uma parte dos desafios diante das autoridades chinesas, em meio a expectativas crescentes de que os Estados Unidos irão em breve reduzir seu programa de compra de títulos, embora a situação esteja atualmente estável, de acordo com o regulador de câmbio.

Reportagem de Langi Chiang, Xiaoyi Shao e Kevin Yao

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below