Distribuição vê chance de alta em preços de aços planos de usinas

terça-feira, 23 de julho de 2013 15:09 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 23 Jul (Reuters) - Desvalorização do real contra o dólar, alta de preços de insumos como minério de ferro e importação contida estão abrindo espaço para uma potencial alta de preços de aços planos fornecidos por usinas siderúrgicas brasileiras, segundo avaliação do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda).

Depois de um primeiro semestre em que os preços subiram em média 6 por cento para os distribuidores, a expectativa é que as usinas promovam novos aumentos de 6 a 7 por cento até o final do ano.

"O movimento do dólar impacta o custo das usinas e vai haver necessidade de ajustar ainda no segundo semestre, talvez mais para o último trimestre", afirmou o presidente do Inda, Carlos Loureiro.

"Se o dólar se firmar neste patamar de entre 2 e 2,25 reais e o minério de ferro continuar neste nível (132 dólares por tonelada), vamos ter um movimento de preços das usinas", acrescentou, afirmando que "ainda nada foi informado" pelas siderúrgicas.

A expectativa acontece mesmo apesar das vendas de aços planos por distribuidores terem acumulado queda de 1,7 por cento no primeiro semestre e apesar de os estoques no setor terem crescido 13 por cento ao final de junho, para o equivalente a 3,2 meses de vendas. Segundo Loureiro, o ideal para o setor é que os estoques fiquem abaixo de 2,5 meses.

O que facilita a perspectiva do Inda sobre reajustes nos preços de aços planos é o tombo na importação, que acumulou queda de 28 por cento no primeiro semestre sobre o mesmo período do ano passado.

Segundo Loureiro, as importações atingiram o "piso" mensal em junho, a 87,8 mil toneladas, queda de 47,4 por cento sobre o mesmo mês de 2012.

"Os preços do aço no mercado internacional pararam de cair, o que nos leva a crer que vamos continuar com esse número baixo de importação, já que os prêmios estão muito baixos", disse Loureiro, referindo-se à diferença entre os preços nos mercados interno e externo.

"Hoje, uma operação de hedge para importação de material tem custo de 5 por cento e ainda ocupa limite de crédito do importador", acrescentou.

As vendas de aços planos por distribuidores brasileiros encerraram junho com queda de 0,3 por cento sobre o mesmo período de 2012, para 347,8 mil toneladas. No semestre, os distribuidores acumularam vendas de 2,144 milhões de toneladas.