Câmbio leva Fibria a prejuízo; vê retomada na demanda da China

quarta-feira, 24 de julho de 2013 13:56 BRT
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO, 24 Jul (Reuters) - A valorização do dólar levou a Fibria a ter prejuízo no segundo trimestre, mas melhorou as receitas, devido aos maiores preços, informou nesta quarta-feira a maior produtora de celulose de eucalipto do mundo.

O dólar mais alto encareceu os insumos, mas esse efeito foi compensado com um reajuste de 30 dólares, em maio, da tonelada de celulose vendida. E, apesar da menor demanda recente, em meio as férias no Hemisfério Norte, a companhia não pretende voltar atrás no aumento.

"A China já está sinalizando retomada da demanda. Isso faz com que a gente não abra mão do anúncio feito em maio. Nós acreditamos que já em agosto vai ter demanda significativa desse mercado", afirmou o diretor comercial e de logística da empresa, Henri Philippe Van Keer, em teleconferência com analistas.

Ainda assim, a fabricante trabalha com um cenário de queda não "significativa" nos preços no fim do ano com a entrada em operação de novas fábricas, elevando a capacidade global do setor, o que pode se estender em 2014.

"O preço de celulose tende a seguir os bons fundamentos atuais. Eventuais quedas ficam para o fim do ano e início do ano que vem, quando entrarem novas capacidades", disse o presidente da Fibria, Marcelo Castelli, em teleconferência com jornalistas.

Castelli considerou que os níveis de estoque de celulose na China não estão em níveis seguros, o que deverá influenciar na retomada da demanda.

A Fibria teve um prejuízo líquido de 593 milhões de reais de abril a junho, ante perda de 524 milhões em igual período de 2012. Mas o resultado veio melhor que o esperado por analistas, que estimavam, em média, prejuízo de 673 milhões de reais, segundo pesquisa da Reuters.

A empresa atribuiu o prejuízo ao resultado financeiro, que ficou negativo em 1,162 bilhão de reais, impactado pelo "efeito da valorização do dólar sobre a dívida no valor de 650 milhões de reais, e dos efeitos contábeis e financeiros da recompra de títulos no trimestre, de 224 milhões de reais".   Continuação...