Cepal reduz projeção de crescimento da América Latina em 2013

quarta-feira, 24 de julho de 2013 14:20 BRT
 

SANTIAGO, 24 Jul (Reuters) - A previsão de crescimento econômico na América Latina e no Caribe foi reduzida a 3 por cento em 2013, ritmo mais lento do que as previsões iniciais de 3,5 por cento, uma vez que a economia global mais fraca limita as exportações e a demanda doméstica, informou a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) nesta quarta-feira.

O crescimento mais lento na potências regionais Brasil e México, bem como a diminuição da expansão nos pequenos mas robustos Chile, Panamá e Peru, devem pressionar o crescimento, afirmou a Cepal, sediada em Santiago.

A Cepal, órgão da Organização nas Nações Unidas (ONU), alertou que a América Latina, que é exportadora de commodities, é altamente dependente da demanda da China e da Europa, assim como do consumo doméstico.

"A perspectiva atual destaca os problemas na sustentabilidade do crescimento na maioria das economias da região, e justifica a avaliação da necessidade de ampliar e diversificar", disse a secretária-executiva do órgão, Alicia Barcena.

A soja, petróleo e o cobre têm impulsionado a região, ajudando a gerar um boom de gastos em grande parte de suas economias, mas levantando dúvidas sobre a sustentabilidade do crescimento.

Para o Brasil, a Cepal calcula que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 2,5 por cento neste ano, ante projeção anterior de 3 por cento. Entretanto, O crescimento ainda deve acelerar ante a taxa de 0,9 por cento registrada no ano passado.

A projeção de crescimento para o México é de 2,8 por cento para este ano, ante previsão anterior de 3,5 por cento, e mais lento que a taxa de 3,9 por cento registrada em 2012.

(Reportagem de Anthony Esposito)