Indústria global de suínos deve se recuperar no 2o semestre, diz Rabobank

quarta-feira, 24 de julho de 2013 14:48 BRT
 

SÃO PAULO, 24 Jul (Reuters) - A indústria global de suínos deve passar por uma recuperação no segundo semestre, mas aquém do esperado em meio a estoques elevados e a incertezas quanto à demanda, que devem limitar a alta dos preços, apontou o Rabobank em relatório nesta quarta-feira.

"O Rabobank mantém sua visão de que os mercados voltarão a subir no segundo semestre, mas esta mudança pode começar mais tarde e as altas podem ser menores que o esperado", apontaram os analistas do banco.

O principal banco do mundo especializado em alimentos e agronegócio vê um crescimento na demanda chinesa até o período festivo no país. Além disso, aponta vantagem comparativa ante as carnes bovina e de frango, cujos preços estão sustentados.

O Brasil tem um cenário positivo à frente, beneficiando-se da abertura do mercado japonês através das exportações de plantas em Santa Catarina.

Segundo o banco, os embarques para o Japão poderão chegar a 100 mil toneladas no longo prazo, o equivalente a 17 por cento do volume exportado pelo Brasil em 2012.

Além disso, o Brasil deve ser favorecido com o fim do embargo ucraniano anunciado em junho, depois de manter suspensas as compras do produto brasileiro desde maio.

O Rabobank acrescentou que as expectativas de melhor desempenho no semestre dependem amplamente dos prospectos sobre a demanda, uma vez que a produção deve ter aumento moderado.

Os analistas ressaltaram que o declínio nos custos com ração deve apoiar na recuperação das margens dos criadores de suínos do Brasil, mas ressalvam que é preciso considerar se este movimento será suficiente para cobrir as perdas registrada no primeiro semestre de 2013.

Segundo o relatório, os elevados estoques do setor depois de um primeiro semestre desapontador no mundo e o contínuo impacto da crise sobre a demanda, especialmente nos países desenvolvidos, devem limitar o aumento dos preços da carne suína.   Continuação...