25 de Julho de 2013 / às 11:10 / 4 anos atrás

Áreas de café de SP e MG escapam de geada; frio intenso em MS e PR

SÃO PAULO, 25 Jul (Reuters) - Áreas de café de Minas Gerais e São Paulo escaparam de geada apesar do frio intenso, mas temperaturas abaixo de zero foram registradas em áreas de cana-de-açúcar no sul de Mato Grosso do Sul, com forte frio também sendo verificado no Paraná, disse a Somar Meteorologia.

"Choveu a noite inteira em áreas de café de São Paulo e Minas. Não teve nenhum registro de geada", disse o agrometeorologista Marco Antônio dos Santos, da Somar, lembrando que o clima úmido dificulta a formação do fenômeno.

Em um boletim divulgado na quarta-feira, o instituto havia alertado para uma "pequena chance de geada" no sul de Minas Gerais, principal região cafeeira do Brasil, maior produtor e exportador mundial da commodity.

A quinta-feira amanheceu chuvosa e com temperaturas acima de oito graus no sul de Minas, segundo a Somar.

Já no Paraná, onde foram registradas geadas generalizadas na última madrugada, houve novamente registro de condições para formação do fenômeno em diversas regiões.

É o terceiro dia seguido de frio muito intenso sobre as lavouras paranaenses.

O Paraná lidera a produção de trigo no Brasil, e cerca de metade de suas lavouras estão em fase vulnerável ao frio intenso. O Estado também é o quinto maior produtor de café do Brasil.

"Pegou todas as áreas do Paraná, as mesmas áreas de ontem. (...) Como a massa de ar polar está enfraquecendo, os danos devem ter sido bem menores do que ontem", disse Santos.

CANA EM MATO GROSSO DO SUL

A região de produção de cana em Rio Brilhante, no sul de Mato Grosso do Sul, registrou temperatura de 2,2 graus negativos durante a madrugada, informou a Somar.

"Foi a cidade com menor temperatura em todo o Estado do Mato Grosso do Sul", disse o meteorologista Celso Oliveira.

Ele afirmou que a massa de ar polar conseguiu se intensificar no noroeste do Paraná, oeste de São Paulo e sul de Mato Grosso do Sul, onde o frio chegou a ser mais forte nesta quinta do que na madrugada anterior.

"Com essa temperatura é preocupante", disse Oliveira, referindo-se a Rio Brilhante, ressaltando que é muito cedo para fazer qualquer avaliação de prejuízos às lavouras.

Por Gustavo Bonato; Edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below