Aumenta oposição à possível escolha de Summers para chairman do Fed

sexta-feira, 26 de julho de 2013 11:30 BRT
 

Por Pedro da Costa e Mark Felsenthal

WASHINGTON, 26 Jul (Reuters) - O presidente Barack Obama pode estar a meses de anunciar seu indicado para substituir o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, mas críticos já fazem um esforço público incomum para eliminar um dos cotados para o cargo, o ex-secretário do Tesouro Lawrence Summers.

O esforço de oposição não vem dos republicanos, mas da ala esquerda do Partido Democrata. Summers foi conselheiro de Obama, secretário do Tesouro do governo do presidente Bill Clinton, reitor da Universidade de Harvard e economista-chefe do Banco Mundial. Ele ajudou a controlar a crise financeira asiática que ameaçou varrer o globo durante o governo Clinton.

Mas os liberais o culpam por liderar a desregulamentação financeira que eles acusam ter ajudado a criar a crise financeira internacional, e dizem que o trabalho de Summers no fundo hedge D.E. Shaw o tornam a personificação de uma ligação entre Wall Street e o governo.

Alguns democratas poderosos, incluindo o ex-secretário do Tesouro e ex-executivo do Citigroup Robert Rubin, têm defendido Summers nos bastidores, de acordo com múltiplas fontes com ligações íntimas com o Fed ou com a Casa Branca.

Se Obama escolher Summers, ele o estará selecionando em detrimento da vice-chairwoman do Fed, Janet Yellen, que é vista como a outra principal candidata para o cargo.

A expectativa é de que Yellen e Summers atuem de maneira bem próxima do curso de política estabelecido por Bernanke.

Defensores de Summers argumentam que ele deve ter uma vantagem, dada sua experiência de administração da crise.

De acordo com assessores, os democratas do Senado que se opõem a Summers escreveram uma carta pedindo a Obama para escolher Yellen, que tem sido um dos principais impulsos nos esforços do Fed para estimular a lenta recuperação da economia dos Estados Unidos utilizando políticas monetárias não convencionais. Yellen seria a primeira mulher a comandar o banco central.   Continuação...