Natura elevará investimento em marketing para retomar margens

sexta-feira, 26 de julho de 2013 13:37 BRT
 

SÃO PAULO, 26 Jul (Reuters) - A empresa de cosméticos Natura vai aumentar os investimentos em marketing até o fim do ano para impulsionar a retomada nas vendas e fazer a margem de ganho voltar aos níveis de 2012, disse o presidente da empresa nesta sexta-feira.

Na primeira metade do ano, a margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) recuou 1,1 ponto percentual sobre um ano antes, a 21,9 por cento.

Em teleconferência com analistas, o presidente Alessandro Carlucci afirmou que ver um segundo semestre melhor e que a margem Ebitda consolidada de 2012, de 23,8 por cento, é uma "boa referência" do que a companhia espera entregar.

Aumentar o investimento em marketing será uma das estratégias adotadas nesse sentido. Sem especificar valores, Carlucci afirmou que o investimento maior não comprometerá o caixa, pois será compensado por programas de cortes de custos.

"Estamos confiantes na reaceleração da receita", disse. "Parte importante da manutenção da lucratividade virá de receita maior, com adição de margem bruta, e outra parte virá de ganhos de produtividade", acrescentou.

O investimento em marketing visa o aumento na frequência de pedidos das consultoras. O movimento se dá num momento em que a empresa aposta as fichas na linha SOU, que tem preços mais baixos. Os primeiros produtos foram lançados em julho e novos itens chegam ao mercado no segundo semestre.

Carlucci também afirmou que as operações internacionais da Natura devem auxiliar a Natura a retomar margens maiores, tendo um peso cada vez mais relevante para a companhia.

No último trimestre, o avanço de 36 por cento na receita líquida obtida com as vendas fora do país compensou o tímido aumento no Brasil, de apenas 1,1 por cento.

A companhia liberou na quarta-feira seus números do segundo trimestre, período em que teve lucro de 240,2 milhões de reais, alta de 11,7 por cento ante mesma etapa de 2012.

Às 12h54, as ações da Natura caíam 0,65 por cento, enquanto o Ibovespa registrava queda de 0,36 por cento. (Por Marcela Ayres, edição Aluísio Alves)