Lucro da Anglo America com fosfatos no Brasil cresce 69% no 1o semestre

segunda-feira, 29 de julho de 2013 18:29 BRT
 

SÃO PAULO, 29 Jul (Reuters) - O lucro operacional da Anglo American no segmento de fosfatos no Brasil cresceu 69 por cento no primeiro semestre deste ano, para 49 milhões de dólares, em meio à antecipação de compras nos primeiros meses do ano, quando os preços de grãos estavam mais firmes, informou a companhia nesta segunda-feira.

O fosfato é um dos ingreditentes da mistura NPK (nitrogênio, fósforo e potássio), vendida aos agricultores.

A alta nos preços dos grãos incentivou agricultores a antecipar as compras de fertilizantes no primeiro trimestre do ano.

"No segundo trimestre, entretanto, os preços dos grãos caíram, impactando diretamente a demanda por fertilizantes", disse em comunicado.

A produção de fertilizantes fosfatados da Anglo no Brasil chegou a 600 mil toneladas no primeiro semestre, 15 por cento maior ante igual intervalo de 2012. As vendas no período somaram 543 mil toneladas.

O crescimento ocorre, segundo a companhia, "devido a uma série de iniciativas de otimização de ativos que reduziram custos e melhoraram o desempenho geral nas duas plantas de beneficiamento, localizadas em Catalão (GO) e Cubatão (SP)".

"No Brasil, prevê-se uma forte demanda para a safra de verão", disse a companhia no comunicado, lembrando que Estados Unidos e Índia, outros dois grandes consumidores, a expectativa é de menor consumo.

Os dados da Associação Nacional para a Difusão de Adubos (Anda), referentes às entregas ao consumidor final, indicam que as vendas totais de fertilizantes fosfatados no primeiro semestre do ano ficaram praticamente estáveis, em 1,72 milhão de toneladas.

Dessa forma, o crescimento nas vendas da Anglo, que abastece as indústrias misturadoras, que comercializam o produto final, pode sinalizar um aumento das vendas de fertilizantes fosfatados neste ano.

As vendas totais de fertilizantes (NPK) ao consumidor final de todo o setor no Brasil, até junho, avançaram 3,6 por cento, para o recorde de 12,15 milhões de toneladas, segundo a Anda.

(Por Fabíola Gomes)