Economia dos EUA ganha força no 2º tri e cresce 1,7%

quarta-feira, 31 de julho de 2013 10:35 BRT
 

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON, 31 Jul (Reuters) - O crescimento econômico dos Estados Unidos acelerou inesperadamente no segundo trimestre, estabelecendo uma base mais firme para o resto do ano que pode deixar o Federal Reserve, banco central do país, mais perto de reduzir seu estímulo monetário.

O Produto Interno Bruto (PIB) expandiu a uma taxa anual de 1,7 por cento, informou o Departamento do Comércio nesta quarta-feira, acelerando ante a leitura revisada para baixo do primeiro trimestre de 1,1 por cento.

Economistas consultados pela Reuters estimavam que a economia cresceria ao ritmo de 1 por cento, após divulgação anterior de avanço de 1,8 por cento nos três primeiros meses do ano.

A recuperação nos gastos empresariais, o crescimento das exportações e forte moderação no ritmo de queda nas despesas do governo impulsionaram o crescimento econômico no período de abril a junho, compensando a desaceleração nos gastos do consumidor e a taxa estável de acúmulo de estoques.

Mesmo assim, o relatório marca o terceiro trimestre consecutivo de crescimento do PIB abaixo de 2 por cento, um ritmo que normalmente seria muito fraco para diminuir o desemprego. Mas o crescimento deve ganhar ainda mais ímpeto no segundo semestre deste ano, à medida que o fardo fiscal trazido pelo aperto em Washington se atenua.

As autoridades do Federal Reserve, lutando com uma decisão sobre o futuro do programa de compra de títulos de 85 bilhões de dólares ao mês, provavelmente irão observar a revisão para baixo do crescimento do primeiro trimestre, mas encontrarão conforto na aceleração da produção no último trimestre, quando eles concluírem a reunião de dois dias nesta quarta-feira.

O chairman do Fed, Ben Bernanke, disse no mês passado que o banco central deve começar a reduzir as compras de títulos ainda neste ano, e provavelmente interrompê-las até meados de 2014, se a economia progredir como esperado.

REVISÕES   Continuação...

 
Um operador examina gráfico em sua tela na bolsa de Nova York pouco depois da abertura do mercado. O crescimento econômico dos Estados Unidos acelerou inesperadamente no segundo trimestre, estabelecendo uma base mais firme para o resto do ano que pode levar o Federal Reserve, banco central do país, mais perto de reduzir seu estímulo monetário. 11/07/2013. REUTERS/Lucas Jackson