Fed não oferece sinais de redução de estímulo

quarta-feira, 31 de julho de 2013 15:29 BRT
 

Por Alister Bull e Pedro da Costa

WASHINGTON, 31 Jul (Reuters) - O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, informou nesta quarta-feira que a economia continua se recuperando mas ainda necessita de suporte, não oferecendo indicações de que uma redução no ritmo de aquisição de ativos seja iminente.

Por ora, o Fed continuará comprando os 85 bilhões de dólares em títulos hipotecários e dívida do Tesouro norte-americano por mês em seus esforços para dar força a uma economia ainda desafiada por aperto fiscal federal e fraco crescimento no cenário internacional.

Autoridades afirmaram que a atividade econômica expandiu-se em ritmo "modesto" no primeiro semestre, após chamar a recuperação de "moderada" em junho.

Em outras alterações ao comunicado, o Fed sinalizou preocupação sobre as maiores taxas hipotecárias e identificou os riscos de que a inflação recue muito longe de sua meta.

"O Comitê reconhece que a inflação persistentemente abaixo de seu objetivo de 2 por cento pode representar riscos à performance econômica, mas espera que a inflação volte a avançar em direção a seu objetivo no médio prazo", informou o Fed, referindo-se ao Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

Essa promessa foi suficiente para impedir que o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, que no mês passado expressou preocupação com as pressões de queda nos preços, de dissentir pela segunda vez.

Esther George, do Fed de Kansas City, mais uma vez votou contra a decisão devido a preocupações sobre possíveis impactos da política prolongada de juros baixos do banco central à estabilidade financeira.

O Fed quase zerou as taxas de juros no fim de 2008 e desde então mais do que triplicou o tamanho de seu balanço patrimonial para cerca de 3,6 trilhões de dólares por meio de três imensas rodadas de compras de títulos com o objetivo de manter baixos os custos de financiamento de prazo mais longo.   Continuação...