Banco Central decreta liquidação extrajudicial do Banco Rural

sexta-feira, 2 de agosto de 2013 20:53 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO, 2 Ago (Reuters) - O Banco Central declarou nesta sexta-feira a liquidação extrajudicial do Banco Rural, envolvido no chamado escândalo do "mensalão", na segunda intervenção da autoridade monetária em instituições financeiras do país em menos de dois meses.

Em comunicado, o BC explicou que a medida deveu-se ao "comprometimento da sua situação econômico-financeira e da falta de um plano viável para a recuperação da situação do banco". O regulador também disse ter detectado graves violações às normas legais e sucessivos prejuízos que sujeitam os credores a risco anormal.

A decisão atinge as demais empresas do conglomerado: o Banco Rural de Investimentos; o Banco Rural Mais; o Banco Simples e a Rural Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários.

Em nota, os controladores da instituição se disseram "surpreendidos" com a decisão do BC. "O Banco Rural tem mais de 50 anos de existência e nesse período jamais causou prejuízo a quem quer que seja", afirmaram.

Eles mencionaram, ainda, que o banco passava, com o conhecimento do BC, por uma transição para reforçar seu capital e adequá-lo aos seus planos de crescimento, adicionando que "estudarão as medidas cabíveis frente a esse novo contexto".

O Banco Rural foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República, em 2006, como "núcleo financeiro" do chamado "mensalão", esquema de desvio de recursos públicos para compra de apoio parlamentar durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Três executivos do banco foram condenados, no ano passado, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro.

"O Banco Central está tomando todas as medidas cabíveis para apurar as responsabilidades, nos termos de suas competências legais de supervisão do sistema financeiro", afirmou o BC. "O resultado das apurações poderá levar à aplicação de medidas punitivas de caráter administrativo e a comunicações às autoridades competentes".

A autoridade monetária afirmou ainda que os bens dos controladores e de ex-administradores da instituição ficam indisponíveis.   Continuação...