Dow Jones e S&P 500 recuam após máximas da última semana

segunda-feira, 5 de agosto de 2013 18:14 BRT
 

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK, 5 Ago (Reuters) - O Dow Jones e o S&P 500 fecharam em queda nesta segunda-feira no pregão de volume mais baixo até agora neste ano, após renovarem suas máximas históricas na semana passada, com a ausência de notícias importantes deixando os mercados sem direção.

O índice Dow Jones recuou 0,30 por cento, para 15.612 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 0,15 por cento, para 1.707 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,09 por cento, para 3.692 pontos.

Embora cerca de 100 empresas do S&P 500 ainda devam publicar seus balanços, a temporada de resultados vai perder ritmo após o dilúvio da semana passada. Essa semana também está fraca em termos de dados econômicos que possam mover os mercados.

"Foi um dia bastante calmo", disse o chefe de alocação de ativos do ING Investment Management, Paul Zemsky. "Os balanços quase terminaram e o trimestre continuará desbotado. É difícil decepcionar, mas os balanços não estão fantásticos".

Cerca de 4,6 bilhões de ações trocaram de mãos na Bolsa de Nova York, no Nasdaq e na Nyse, o menor volume para um dia de transações.

O setor tecnológico teve a melhor performance no S&P 500, com os papéis da Apple e Facebook avançando e impulsionando o índice Nasdaq.

A ação da Apple ganhou 1,5 por cento após os EUA revogarem uma proibição de vendas de alguns iPhones e iPads mais antigos, enquanto o papel do Facebook, que fechou com alta de 3 por cento, ganhou força após uma corretora elevar sua recomendação para a ação.

Dados sugerindo que a recuperação econômica no Reino Unido e nos EUA está ganhando corpo mostraram que as empresas britânicas cresceram e a atividade empresarial na zona do euro expandiu modestamente em julho, enquanto o crescimento do setor de serviços norte-americano recuperou-se da mínima em três anos.

"Os PMIs vieram melhor do que as expectativas e nos dizem que a ideia de que o segundo semestre pode ser mais forte ainda é válida. Mas agora, temos de esperar e ver", afirmou Zemsky.

(Reportagem de Caroline Valetkevitch)