Presidente do BC do Japão pede disciplina fiscal

quinta-feira, 8 de agosto de 2013 09:10 BRT
 

Por Leika Kihara e Stanley White

TÓQUIO, 8 Ago (Reuters) - O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, emitiu um forte alerta nesta quinta-feira contra o relaxamento da disciplina fiscal, destacando que o país pode elevar o imposto sobre vendas e ainda manter a economia forte o suficiente para dar um fim à deflação.

As declarações dele foram feitos em meio a um debate político que se intensifica sobre se o Japão deve proceder com um aumento planejado de duas etapas no imposto sobre vendas a partir do próximo ano, ou optar por uma alta mais moderada para aliviar o peso em uma economia que está apenas saindo da estagnação.

Em uma revisão de dois dias que terminou nesta quinta-feira, o banco central do Japão manteve a política monetária nesta quinta-feira e evitou melhorar sua avaliação da economia, optando por aguardar mais pistas sobre se os crescentes dados positivos irão encorajar as empresas a elevarem os gastos de capital.

Embora evitando comentar diretamente sobre se o Japão deve avançar com os aumentos do imposto, Kuroda disse que, sem os esforços para controlar a enorme dívida pública japonesa, os investidores pode vender títulos do governo em massa e elevar os yields para níveis penosos.

"O BC japonês está comprando enormes quantidades de títulos do governo. Isso em si é necessário para atingir nossa meta de inflação de 2 por cento", disse Kuroda em entrevista à imprensa depois da revisão das taxas de juros.

"Mas se os mercados começarem a se preocupar que a disciplina fiscal do Japão está se afrouxando... ou que o banco central está monetizando a dívida pública, as taxas de juros de longo prazo podem subir e reduzir o efeito de nosso quantitative easing (programa de compra de títulos)", disse ele.

Como era amplamente esperado, o BC japonês manteve sua política anunciada em abril de quase dobrar a base monetária para 270 trilhões de ienes (2,8 trilhões de dólares) até o fim de 2014 para acabar com a deflação e atingir sua meta de inflação de 2 por cento.

Uma série de dados positivos divulgados desde a reunião anterior do BC havia elevado as expectativas de que o banco poderia oferecer uma visão melhor da economia para dizer de forma mais convincente que ela está se recuperando.   Continuação...