Randon tem lucro de R$68,9 mi no 2º, com ajuda de incentivos

quinta-feira, 8 de agosto de 2013 19:47 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 8 Ago (Reuters) - A fabricante de implementos rodoviários e autopeças Randon voltou ao azul no segundo trimestre, apoiada em fortes vendas de veículos comerciais, em meio a incentivos governamentais.

De abril a junho, o lucro líquido consolidado somou 68,9 milhões de reais, ante prejuízo de 4,7 milhões de reais no mesmo período do ano anterior, informou a Randon nesta quinta-feira.

"A atual safra agrícola brasileira, apontada como a melhor da história, investimentos na construção civil e infraestrutura e o crescimento do consumo das famílias promoveram também demanda adicional nos investimentos ligados ao transporte", comentou a Randon, em relatório.

A produção de veículos comerciais para o mercado brasileiro subiu 46,5 por cento, para 82 mil veículos, enquanto as vendas subiram 21,9 por cento, para 52,6 mil unidades.

Apoiada na forte alta nas vendas de veículos pesados, como reboques, e peças, a companhia viu sua receita líquida subir 19,8 por cento na comparação anual, para 1,059 bilhão de reais.

Na mesma linha, o resultado operacional da Randon, medido pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), foi de 151 milhões de reais, alta anual de 129,3 por cento.

A Randon ratificou as projeções para o ano feitas no início do exercício, mantendo as metas de receita bruta total de 6 bilhões de reais, receita líquida de 4,1 bilhões de reais e investimentos de 130 milhões de reais.

"Trabalhamos com a hipótese de estabilização no ritmo da atividade nos próximos meses do ano", afirmou a empresa, completando que será possível manter bons níveis de produção e volume, o que poderá sustentar a rentabilidade.

Na semana passada, a Fenabrave, entidade que representa as revendedoras de veículos, informou que as vendas de caminhões novos no Brasil de janeiro a julho subiram 11,6 por cento ante mesma etapa de 2012, com ajuda do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), programa estatal de financiamento para compra de bens de capital novos com juros menores, e à safra agrícola recorde.

(Por Luciana Bruno)