Moagem de cana acelera no CS com foco no etanol--Unica

sexta-feira, 9 de agosto de 2013 12:52 BRT
 

SÃO PAULO, 9 Ago (Reuters) - O ritmo de moagem de cana no centro-sul do Brasil acelerou na segunda quinzena de julho, com ênfase cada vez maior para a produção de etanol e com crescimento de vendas do biocombustível no período, disse nesta sexta-feira a Unica, associação que representa as empresas do setor.

A moagem de cana-de açúcar do centro-sul do Brasil atingiu 44,26 milhões de toneladas na segunda quinzena de julho, alta 3,7 por cento ante o volume processado na quinzena anterior.

Na safra 2013/14, o acumulado chega a 268,76 milhões de toneladas, alta de 24 por cento ante a moagem no acumulado da safra 2012/13.

Na última quinzena, 55 por cento da cana foram destinados para etanol e 45 por cento para açúcar, contra 54,6 por cento para etanol e 45,4 por cento para açúcar na primeira quinzena de julho.

Em meio a uma safra mais "alcooleira", a produção total de etanol em 2013/14 até o momento chega a 11,33 bilhões de litros, 38 por cento a mais que no acumulado de 2012/13. Já a produção de açúcar cresceu menos na comparação entre os acumulados das duas temporadas, alta de 12,6 por cento, somando 13,84 milhões de toneladas do adoçante produzidas até o momento na atual safra.

As vendas de etanol pelas usinas da região centro-sul, principal região produtora do país, somaram 1,44 bilhão de litros na segunda quinzena de julho, crescimento de 31 por cento sobre o volume registrado nos primeiros quinze dias do mês e aumento de 33 por cento sobre o mesmo período de 2012, disse a Unica.

Excluídas as exportações, as vendas de etanol anidro (usado para mistura na gasolina) no mercado doméstico atingiram 466 milhões de litros na última metade de julho, enquanto que as de etanol hidratado (vendido diretamente nos postos de combustíveis) alcançaram 663 milhões de litros, aumento de 20 por cento ante a primeira quinzena de julho.

"Como os preços do etanol estavam economicamente vantajosos aos consumidores nos principais mercados, era natural esperarmos um avanço no consumo de hidratado", disse o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, em nota.

(Por Laiz de Souza)