GM planeja saída gradual da Coreia do Sul por custo trabalhista

segunda-feira, 12 de agosto de 2013 09:58 BRT
 

SEUL, 12 Ago (Reuters) - A General Motors começou a reduzir gradualmente sua presença na Coreia do Sul depois que crescentes custos trabalhistas e sindicalismo militante fizeram a companhia repensar sua dependência do país para um quinto de sua produção mundial, disseram três fontes com conhecimento da estratégia.

O plano da montadora norte-americana, que parece já ter sido colocado em prática com recentes decisões de mudança de produção de modelos mais recentes para fora da Coreia do Sul, ressalta reclamações de montadoras locais e estrangeiras sobre custos salariais rapidamente crescentes no sétimo maior exportador do mundo.

"Precisamos ter certeza de mitigar o risco (da Coreia do Sul), não nos próximos dois a três anos, mas ao longo do tempo, para não ser muito dependente de uma fonte de produto", disse uma das fontes.

"Se algo der errado na Coreia, seja em termos de custo, política, ou de sindicatos, isso terá um impacto imediato."

A GM tornou a Coreia do Sul um de seus principais centros de produção depois de comprar a sul-coreana Daewoo Motors em 2002. O país representa pouco mais de 20 por cento da produção mundial da GM e de cerca de 9,5 milhões de carros. Mais de 80 por cento dos carros produzidos pela GM na Coreia do Sul são exportados.

As fontes disseram que os custos trabalhistas cresceram rapidamente na última década, tornando a Coreia do Sul uma base cara de produção, um problema exacerbado pela relativa força da moeda local, o won, ao longo do último ano.

Para o sindicato que representa os trabalhadores da GM na Coreia do Sul, a montadora está usando a ameaça de reduzir sua presença no país para intimidar os funcionários contra busca de novos reajustes. No mês passado, a GM Korea fechou acordo anual salarial que incluiu bônus de 10 milhões de wons (9 mil dólares) para cada funcionário, segundo o sindicato.

O custo de trabalho por veículo na Coreia do Sul deve atingir 1.133 dólares este ano, segundo uma apresentação de slides feita pela montadora ao sindicato local em 2012, afirmou um sindicalista que participou da reunião. A média das operações internacionais da GM está em 677 dólares por veículo.

(Por Norihiko Shirouzu e Hyunjoo Jin)

 
Trabalhadores são vistos na unidade da montadora norte-americana General Motors na Coreia do Sul, em Incheon. A GM começou a reduzir gradualmente sua presença na Coreia do Sul depois que crescentes custos trabalhistas e sindicalismo militante fizeram a companhia repensar sua dependência do país para um quinto de sua produção mundial, disseram três fontes com conhecimento da estratégia. 08/04/2013 REUTERS/Shin Dong-jun