Votorantim Cimentos retira pedido para IPO de R$10,3 bi

segunda-feira, 12 de agosto de 2013 11:19 BRT
 

SÃO PAULO, 12 Ago (Reuters) - A Votorantim Cimentos, maior produtora do insumo do Brasil, cancelou nesta segunda-feira pedido para fazer uma oferta pública inicial de ações avaliada inicialmente em 10,3 bilhões de reais e que marcaria o segundo maior IPO no país este ano.

A companhia encaminhou o pedido de retirada da operação à Securities and Exchange Commission (SEC), órgão regulador do mercado financeiro dos Estados Unidos, e à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e citou condições adversas do mercado.

A oferta já estava suspensa desde junho até 11 de setembro.

"Na percepção da companhia, as condições atuais dos mercados reforçam a baixa probabilidade de uma janela oportuna para a retomada da oferta no curto prazo", afirmou a companhia em comunicado à imprensa.

No prospecto, a empresa informava que pretendia usar os recursos obtidos com a oferta primária para continuar a estratégia de expansão orgânica e diversificação de portfólio de produtos no Brasil e para potenciais aquisições fora do Brasil. A empresa não comentou o assunto além de breve comunicado enviado à imprensa.

"O IPO segue nos planos da empresa e continuaremos monitorando de perto a evolução dos mercados, aguardando condições adequadas para retomada da oferta", disse no comunicado o diretor financeiro, Lorival Luz.

Se a operação tivesse sido precificada, poderia ser o segundo maior IPO do ano no Brasil, só atrás da BB Seguridade, que levantou 11,48 bilhões de reais em abril.

Morgan Stanley, JP Morgan, Itaú, Credit Suisse e BTG Pactual eram coordenadores do IPO da Votorantim Cimentos.

Antes de ser suspensa em junho, fontes do mercado financeiro chegaram a afirmar que a operação estava recebendo grandes reservas de investidores interessados.

Com o cancelamento, a Votorantim Cimentos une-se à companhia de saneamento fluminense Nova Cedae, à empresa de logística Vix e à Queiroz Galvão Óleo e Gás, que no início do ano engavetaram planos de IPO citando condições adversas do mercado.

(Reportagem de Alberto Alerigi Jr.)