Escândalo de espionagem atrapalha chance dos EUA venderem caças ao Brasil

segunda-feira, 12 de agosto de 2013 17:58 BRT
 

Por Anthony Boadle e Alonso Soto

BRASÍLIA, 12 Ago (Reuters) - A esperança dos Estados Unidos de alcançarem um cobiçado acordo de 4 bilhões de dólares para vender 36 caças ao Brasil sofreu um revés com as revelações recentes de que os norte-americanos espionaram comunicações da Internet brasileira.

Quando o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, sentar-se para conversar com autoridades brasileiras em Brasília na terça-feira para preparar uma visita de Estado da presidente Dilma Rousseff à Casa Branca, a venda dos jatos não estará na agenda, disse uma fonte.

"Não podemos falar dos caças agora... Você não pode dar um contrato desse para um país em que você não confia", disse uma fonte do alto escalão do governo brasileiro à Reuters sob condição de anonimato devido à sensibilidade da questão.

A autoridade disse que a visita de um dia de Kerry ao Brasil estará concentrada em restabelecer a confiança entre Washington e Brasília, abalada com as revelações sobre espionagem que geraram um grande alvoroço político no maior parceiro comercial dos Estados Unidos na América do Sul.

A Embaixada dos Estados Unidos em Brasília não quis comentar o impacto do caso de espionagem sobre a possível compra de caças norte-americanos.

"Acreditamos que a oferta da Boeing é a melhor oferta disponível aos brasileiros e ela tem o apoio total do governo norte-americano", disse um porta-voz da missão diplomática norte-americana em Brasília.

No mês passado, o jornal O Globo publicou documentos vazados pelo ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) Edward Snowden que revelaram a vigilância das comunicações eletrônicas no Brasil e em outros países latino-americanos.

Irritados, senadores brasileiros questionaram a visita de Dilma a Washington em outubro e criticaram a possibilidade de assinar o contrato com os EUA para a renovação da frota de caças da Força Aérea Brasileira (FAB).   Continuação...