Log-In registra prejuízo de R$25,9 milhões no 2o trimestre

terça-feira, 13 de agosto de 2013 20:15 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 13 Ago (Reuters) - A empresa de logística Log-In teve prejuízo menor no segundo trimestre, graças à "suave recuperação da produção industrial" tanto no Brasil como na Argentina, o que aumentou a demanda por fretes, informou a empresa nesta terça-feira, ratificando números divulgados em 17 de julho.

De abril a junho, a Log-In teve prejuízo líquido de 25,9 milhões de reais, menor que o prejuízo de 31,9 milhões de reais registrado no mesmo período do ano passado.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de 47,1 milhões de reais, crescimento de 61 por cento frente ao período de abril a junho de 2012.

Apesar do prejuízo menor, a empresa lembrou que o "ambiente desafiador para a economia brasileira" no período pressionou os resultados.

"A maciça expedição da super safra de grãos, adicionada à onda de protestos e greves ao final do segundo trimestre impactaram fortemente as operações de acesso aos portos brasileiros deteriorando o nível de serviços dos operadores de cabotagem", afirmou a empresa em relatório.

Apesar disso, o volume de cabotagem subiu 28,4 por cento no período, para 27,3 mil TEUs (unidade equivalente a 20 pés). A Log-In operou com uma capacidade estática de 14.500 TEUs, devido à disponibilidade operacional de 100 por cento com os novos navios Log-In Jacarandá e Log-In Jatobá.

"Em relação às condições operacionais portuárias foi possível observar melhoria em produtividade nos terminais escalados pela Log-In", afirmou a empresa, destacando Santos (SP), Suape (PE), Manaus (AM) e Buenos Aires, Argentina.

A Log-In registrou redução de 11,4 por cento na movimentação de contêineres no Terminal de Vila Velha (TVV), no Espírito Santo. "O TVV apresentou menores resultados, influenciado pela queda de movimentação de contêineres de importação", disse a empresa.

Os gastos com despesas gerais e administrativas atingiram 8,5 milhões de reais, ante 8 milhões de reais no segundo trimestre de 2012. Segundo a companhia, o avanço ocorreu devido a reajustes contratuais de aluguéis e serviços.

(Redação Rio de Janeiro; LB JS)