EUA acusam dois homens por fraude no escândalo "London Whale"

quarta-feira, 14 de agosto de 2013 14:10 BRT
 

NOVA YORK, 14 Ago (Reuters) - Dois ex-funcionários do JPMorgan Chase & Co. estão enfrentando acusações criminais relacionadas ao escândalo de negociação que custou ao banco 6,2 bilhões de dólares no ano passado, mas o operador que foi apelidado de "London Whale" e que esteve mais ligado ao escândalo não é um deles.

Na verdade, Bruno Iksil, que está cooperando com os procuradores federais, resistiu aos esforços de seus ex-colegas Javier Martin-Artajo e Julien Grout para esconder as crescentes perdas, de acordo com documentos judiciais.

Os procuradores federais em Manhattan acusaram nesta quarta-feira Martin-Artajo e Grout, que trabalharam para o escritório investimento do JPMorgan em Londres, de fraude eletrônica e conspiração para falsificar livros e registros relacionados às perdas comerciais.

As acusações, as primeiras a surgirem a partir do escândalo, afirmam que os acusados tinham deliberadamente tentado esconder centenas de milhões de dólares em perdas em uma carteira de derivativos.

Não está claro quando Martin-Artajo e Grout, que vivem na Europa, serão presos e levados aos EUA para serem formalmente acusados.

Iksil ganhou o apelido de "a baleia de Londres" pelo tamanho dos negócios com derivativos que ele fez no fim de 2011 e início de 2012. Embora inicialmente responsabilizado pelas más decisões que levaram às perdas, as acusações contra seus ex-colegas estão agora lançando uma luz mais heróica sobre Iksil, pelo menos de acordo com as autoridades federais.

(Por Emily Flitter)