Clima atrasa planos da Biosev para zerar capacidade ociosa

quarta-feira, 14 de agosto de 2013 15:08 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO, 14 Ago (Reuters) - A Biosev, uma das maiores produtoras de açúcar e etanol do Brasil, terá que adiar seus planos para eliminar a ociosidade em suas usinas devido a geadas em Mato Grosso do Sul e a uma seca no Nordeste, que vão reduzir o volume de cana produzido na atual safra, com repercussões também na próxima temporada.

A empresa, que divulgou resultados do trimestre abril/junho na noite de terça-feira, reduziu sua estimativa de moagem na safra atual (2013/14) para entre 28,7 milhões e 30,1 milhões de toneladas, ante 33 milhões na estimativa inicial.

A maior parte do impacto ocorreu devido a geadas sobre canaviais da empresa em Mato Grosso do Sul, no fim de julho. Cerca de um terço da redução foi atribuído a uma forte seca no Nordeste, que está reduzindo a produtividade agrícola.

A Biosev tem apostado na melhoria da eficiência, especialmente no maior uso da capacidade instalada, para reduzir custos e melhorar os resultados.

"Nessa safra tivemos uma pausa. Voltamos (a reduzir ociosidade) no próximo ano, então vai ser entre a safra 2015/16 e 2016/17", disse à Reuters o diretor financeiro da empresa, Serge Stepanov, estendendo o prazo para que 100 por cento da capacidade instalada da Biosev seja utilizada.

A estimativa inicial da companhia era elevar o uso da capacidade instalada para 87 por cento em 2013/14, ante 73,7 por cento em 2012/13.

Stepanov não deu detalhes sobre uma nova estimativa para esse índice após as geadas e a seca afetarem a produção. Ele acrescentou que o frio intenso atrapalhou o trabalho de plantio para a próxima temporada. "Parou também o crescimento da muda. Para plantar, vai ser mais difícil, vai ter impacto na safra 14/15."

A Biosev conseguiu reduzir o seu prejuízo no período de abril a junho para 325,8 milhões de reais, refletindo um aumento na receita e melhora no resultado financeiro. No mesmo período do ano passado, a divisão brasileira para energia da trading francesa de commodities Louis Dreyfus teve prejuízo de 351,6 milhões de reais.   Continuação...