Desembolsos do BNDES batem recorde, buscará mais recursos

quarta-feira, 14 de agosto de 2013 16:32 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) bateram recorde no primeiro semestre ao alcançarem 88,3 bilhões de reais, alta de 65 por cento sobre um ano antes, informou a instituição de fomento nesta quarta-feira.

Com a expansão, o banco já prevê a necessidade de receber mais recursos, provavelmente do Tesouro, para dar conta da projeção de financiamentos de entre 185 bilhões e 190 bilhões de reais em 2013, 30 por cento acima dos 156 bilhões de 2012, afirmou o presidente da instituição, Luciano Coutinho, a jornalistas.

Na primeira metade do ano, a expansão dos empréstimos foi generalizada e cresceu em todos os segmentos pesquisados, disse Coutinho. A indústria recebeu 29,4 bilhões de reais, uma alta de 93 por cento ante o primeiro semestre de 2012.

O setor de infra-estrutura obteve 27,3 bilhões de reais em empréstimos, alta de 36 por cento, enquanto a agropecuária recebeu 9,3 bilhões de reais, mais que o dobro do registrado um ano antes.

"O primeiro semestre revela o investimento crescente, o que contrasta com a expectativa não favorável do setor privado. Não corrobora esse sentimento privado (de desaceleração da economia)", disse Coutinho, descrevendo o resultado de desembolsos da primeira metade do ano como "surpreendente".

Segundo ele, um dos fatores para o crescimento dos desembolsos do BNDES foi a desaceleração na carteira de crédito dos bancos privados, diante do aumento da inadimplência e da expectativa de crescimento mais baixo do PIB.

Coutinho comentou que espera que uma retomada do crédito dos bancos privados para investimentos comece a se dar neste segundo semestre e se consolide ao longo do ano que vem. As duas maiores instituições financeiras privadas do país, Itaú Unibanco e Bradesco, informaram neste mês cortes em suas expectativas de crescimento de suas carteiras de crédito em 2013.

O presidente do BNDES disse que as concessões federais de rodovias, portos e aeroportos, além dos leilões de energia elétrica e do pré-sal deverão ajudar a sustentar o investimento no país.

"Nossa expectativa é de manutenção desse impulso (de investimento) talvez numa velocidade mais moderada. Olhando para consultas e enquadramentos não vemos desaceleração expressiva do investimento e temos a esperança que com a execução das concessões (...) esse estado de expectativa do setor privado se reverta", disse ele.   Continuação...

 
Luciano Coutinho, presidente do BNDES em coletiva de imprensa em Brasília, em 2012. Nesta quarta-feira os empréstimos do banco bateram recorde no primeiro semestre. 05/12/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino