Dólar dispara 2,5% e encosta em R$2,40

sexta-feira, 16 de agosto de 2013 18:10 BRT
 

Por Tiago Pariz e Bruno Federowski

SÃO PAULO, 16 Ago (Reuters) - Catapultado por preocupações relacionadas à economia brasileira e ao programa de estímulo dos Estados Unidos, o dólar bateu dois recordes no fechamento desta sexta-feira: teve a maior alta diária ante o real desde o fim de 2011 e encerrou no maior patamar em mais de quatro anos.

Dúvidas sobre a política de intervenção do Banco Central brasileiro no mercado de câmbio também alimentaram a disparada da moeda norte-americana, que chegou a encostar em 2,40 reais perto do final dos negócios.

O dólar subiu 2,46 por cento para 2,3960 reais na venda, maior alta diária desde 23 de novembro de 2011, quando o avanço tinha sido de 2,94 por cento. Além disso, é o maior nível de fechamento para a divisa desde 3 de março de 2009, quando ficou a 2,411 reais. Na máxima do dia, a divisa chegou a 2,3987 reais.

"Um conjunto de fatores atuou no câmbio. Primeiro, o dólar está forte lá fora por causa expectativa de redução dos estímulos por parte do Fed. Depois, o (ministro da Fazenda, Guido) Mantega estragou ainda mais porque falou que o câmbio mais depreciado é melhor para a indústria e que o patamar do câmbio mudou mesmo", disse um operador de banco brasileiro.

O dólar ganhava força em grande parte dos mercados globais após dados positivos sobre a economia dos EUA alimentarem expectativas de que o Federal Reserve, banco central do país, diminua seu programa estímulo monetário já em setembro, reduzindo a oferta mundial de dólares.

No Brasil, a alta da divisa dos EUA ganhou ainda mais força devido às preocupações com a fraqueza da economia. Segundo pesquisa Reuters, a fragilidade da economia doméstica faz com que a moeda brasileira seja uma da mais vulneráveis à provável redução do estímulo dos EUA.

Em São Paulo, no entanto, o ministro Mantega procurou dissipar o pessimismo dos investidores, dizendo que o câmbio mais desvalorizado beneficia a indústria brasileira. O ministro reconheceu, no entanto, que a volatilidade das cotações não beneficia a economia e deve ser combatida.

"Temos muitas armas no Brasil para enfrentar uma volatilidade cambial, a primeira delas é que temos reservas muito elevadas e até agora não gastamos um tostão das nossas reservas", disse o ministro da Fazenda a jornalistas, após encontro com empresários em São Paulo, citando também os leilões de swap cambial feitos pelo Banco Central.   Continuação...

 
Homem conta notas de 100 dólares em cassino dos Estados Unidos. REUTERS/Las Vegas Sun/Steve Marcus