17 de Agosto de 2013 / às 13:38 / 4 anos atrás

Premiê indiano descarta retorno a crise econômica de 1991

Primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, fala durante entrevista coletiva na Casa de Governo em Bangkok, 30 de maio de 2013. Singh disse que não há por que acreditar que a Índia voltará à crise econômica ocorrida em 1991, já que a taxa de câmbio da rúpia está ligada ao mercado e as reservas internacionais são adequadas. 30/05/2013 REUTERS/Chaiwat Subprasom

MUMBAI, 17 Ago (Reuters) - Não há por que acreditar que a Índia voltará à crise econômica ocorrida em 1991, já que a taxa de câmbio da rúpia está ligada ao mercado e as reservas internacionais são adequadas, disse neste sábado o primeiro-ministro Manmohan Singh.

A terceira maior economia da Ásia está apresentando seu menor ritmo de crescimento em uma década, em um momento em que a rúpia, que teve a maior desvalorização da região neste ano, está atualmente em seu menor valor histórico, e o Banco Central do país tem recursos suficientes para pagar sete meses de importações.

“Não tem nada disso de volta a 1991”, afirmou Singh em um artigo publicado pela Press Trust of India no website do jornal The Economic Times, referindo-se a uma crise na balança comercial que o país sofreu em 1991.

“Naquela época, o câmbio da Índia tinha índice fixo. Agora, está ligado ao mercado. Apenas corrigimos a volatilidade da rúpia.”

Em 1991, com reservas para cobrir apenas três semanas de importações, a Índia foi forçada a comprometer o seu ouro para pagar seus compromissos, e teve de realizar reformas para abrir a sua economia.

Singh era ministro das Finanças na época e é considerado o homem que salvou a economia da nação.

A notícia da agência afirmou que Singh reconhecia o déficit em conta corrente da Índia. Segundo ele, a grande quantidade de importação de ouro contribuiu para esse cenário. “Parece que estamos investindo muito em ativos improdutivos”, afirmou.

A Índia está tentando reprimir a insaciável demanda de seus cidadãos por ouro, por meio de medidas como o aumento de impostos de importação, a proibição da importação de moedas e medalhões e a obrigação de que os compradores nacionais paguem em dinheiro.

O governo quer diminuir a importação de pedras preciosas neste ano para “bem abaixo” das 845 toneladas do ano passado.

As importações de tais itens no país, o maior comprador de pedras preciosas do mundo, atingiram um valor recorde de 162 toneladas em maio, após a queda dos preços internacionais, causando um aumento de 8 por cento nos impostos. Embora tenham caído para cerca de 31 toneladas em junho, as importações subiram para 47,6 toneladas em julho.

O atual déficit em conta corrente da Índia atingiu o valor recorde de 4,8 por cento do PIB (Produto Interno Bruto), enquanto o crescimento econômico caiu para 5 por cento.

As preocupações de que os políticos estão perdendo o controle da moeda aumentaram nesta semana na bolsa de valores, que caiu 4 por cento na sexta-feira e teve seu maior declínio em um só dia em quase dois anos.

Reportagem de Anurag Kotoky

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below