Rusal deve atrasar projetos de alumínio para aliviar excedentes

segunda-feira, 19 de agosto de 2013 15:42 BRT
 

XANGAI/MOSCOU, 19 Ago (Reuters) - A russa Rusal, maior fabricante de alumínio do mundo, deverá atrasar o início da produção em um de seus maiores projetos, com o objetivo de diminuir o excesso de oferta do metal.

A Rusal, liderada pelo magnata russo Oleg Deripaska, e outras grandes fabricantes de alumínio estão cortando sua produção como resposta ao recorde de estoques e aos persistentes preços baixos do alumínio, usado em veículos e embalagens.

A fabricante norte-americana Alcoa, principal rival da Rusal, suspendeu na semana passada a produção de unidades de fundição no Brasil como parte da revisão de sua capacidade.

A Rusal informou nesta segunda-feira ter registrado uma perda maior que o esperado no segundo trimestre, e declarou que deverá adiar o início da produção de sua unidade de fundição na Sibéria para 2014.

"É provável que não iniciemos neste ano, adiaremos até o ano que vem", afirmou o vice-presidente executivo Vladislav Soloviev em teleconferência com analistas.

A Rusal anunciou que cortará a produção de alumínio em 357.000 toneladas, ou cerca de 8,5 por cento da produção, mais que os 7 por cento programados inicialmente, com o objetivo de apoiar preços após quatro anos de quedas.

(Reportagem de Adam Jourdan e Polina Devitt)