Dólar sobe a R$2,42 e BC anuncia leilão no mercado à vista

segunda-feira, 19 de agosto de 2013 16:46 BRT
 

Por Bruno Federowski e Tiago Pariz

SÃO PAULO, 19 Ago (Reuters) - O dólar norte-americano avançava quase 1 por cento ante o real na tarde desta segunda-feira, influenciada pelos movimentos no exterior e pela persistente desconfiança de investidores com a economia brasileira, mesmo após o Banco Central ter realizado três leilões de swap cambial e anunciado venda no mercado à vista para terça-feira.

Às 16h36 (horário de Brasília), o dólar avançava 0,77 por cento, para 2,4144 reais na venda. Na máxima do dia, a divisa norte-americana chegou a subir 1,37 por cento, cotada a 2,4288 reais. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro estava em torno de 825 milhões de dólares.

"O próximo nível de resistência está em 2,50 reais. A alta deve-se ao ceticismo dos investidores com os nossos fundamentos... Fora do Brasil estão aparecendo oportunidades melhores, com Europa começando a caminhar e os Estados Unidos ganhando inércia. O dinheiro vai onde tem melhores rendimentos", afirmou o gerente de análise da XP Investimentos, Caio Sasaki.

Para o operador de câmbio da Intercam Glauber Romano, investidores também estão pressionando as cotações do dólar para elucidar a postura do BC brasileiro.

O BC realizou nesta sessão três leilões de swap cambial tradicional --equivalente a venda de dólar futuro--, sendo um de rolagem, repetindo intervenção realizada pela última vez em 31 de julho deste ano e que, antes disso, não acontecia desde agosto de 2002.

Pouco após o anúncio do terceiro leilão, a autoridade monetária divulgou que ofertará, na terça-feira, até 4 bilhões de dólares no mercado à vista com compromisso de recompra. O BC não fazia uso desse instrumento desde 20 de junho deste ano.

"Eu acho que amanhã vai ser um massacre, vão jogar a taxa de câmbio para baixo", disse o diretor de câmbio da Pioneer Corretora, João Medeiros, ressaltando que o leilão de linha anunciado pelo BC deve retirar, pelo menos no curto prazo, parte da pressão de fortalecimento do dólar.

Na semana passada, a divisa norte-americana avançou mais de 5 por cento ante o real. Apenas na sexta-feira, a alta foi de 2,46 por cento, devido ao mau humor de investidores com a política econômica brasileira e após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ter dito que o câmbio mais desvalorizado beneficia a indústria brasileira.   Continuação...