Produção de embalagens desacelera para alta de 0,6% no 2º tri, diz Abre

quarta-feira, 21 de agosto de 2013 11:20 BRT
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO, 21 Ago (Reuters) - O ritmo de crescimento de produção de embalagens no Brasil apresentou uma forte desaceleração no segundo trimestre deste ano, para uma alta de 0,56 por cento na comparação com igual período de 2012, segundo dados da associação que representa o setor, a Abre.

Nos três primeiros meses do ano, o crescimento havia sido de 4,81 por cento, também sobre igual período do ano passado.

A desaceleração pode ser atribuída a um ajuste no setor, que depois de um forte crescimento nos três primeiros meses do ano, teve que pisar no freio, segundo Salomão Quadros, coordenador de análises econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que desenvolveu o estudo para a Abre.

"Foi algo especifico do setor. Houve um excesso no primeiro trimestre e a indústria (de embalagens) teve que pisar no freio no segundo", disse a jornalistas.

"Houve um período que os estoques se mostraram insuficientes e o setor avançou, mas avançou além da demanda", acrescentou, referindo-se ao comportamento no início do ano.

Com isso, o aumento da produção no acumulado do primeiro semestre foi de 2,66 por cento, ligeiramente acima da expectativa inicial do setor, de aumento de 2,5 por cento.

Apesar da forte desaceleração no segundo trimestre, a Abre avalia que o setor não deixará de crescer, mas "apenas o fará em ritmo mais lento".

Salomão ressaltou que o atual cenário de desaceleração econômica no Brasil deve impactar o setor no segundo semestre. A expectativa para o período é de um crescimento de 1 por cento, encerrando o ano com aumento de 2 por cento na produção de embalagens.