Usiminas quer porto da MMX operando, descarta aquisição

quarta-feira, 21 de agosto de 2013 13:38 BRT
 

SÃO PAULO, 21 Ago (Reuters) - A Usiminas começou a cobrar ressarcimento da MMX pelo atraso na entrada em operação do porto da mineradora do grupo de Eike Batista e não tem interesse em fazer uma oferta para comprar participação na companhia, afirmou o diretor financeiro da siderúrgica, Ronald Seckelmann.

"A MMX interessa a nós apenas como porto operando", disse o executivo a jornalistas nesta quarta-feira, após apresentação da Usiminas analistas e investidores, repetindo comentários feitos no final de julho, após os resultados de segundo trimestre da siderúrgica.

Perguntado sobre notícias que envolvem a Usiminas em uma possível negociação para a compra da MMX, o executivo negou.

A MMX está construindo o Porto do Sudeste, que perdeu prazos para entrada em operação, disparando cláusulas de compensação previstas em contrato assinado com a Usiminas em 2010.

O acordo foi acertado para escoar a produção de minério de ferro da Usiminas, mas com o atraso da entrada do porto, a siderúrgica ficou sem canais eficientes para exportar sua produção excedente da commodity.

"A MMX é uma empresa de mineração integrada com porto, a princípio não nos interessa (fazer oferta por participação)", disse Seckelmann. Ele acrescentou que não tem conhecimento se a ferrovia MRS, na qual a Usiminas tem participação, teria feito oferta para compra de ativos da mineradora.

Segundo o diretor de mineração da siderúrgica, Wilfred Bruijn, o "maior desejo da Usiminas" é que o Porto do Sudeste entre rapidamente em operação. Por enquanto, a empresa trabalha com prazo de que o Porto do Sudeste começará a operar entre o final deste ano e início de 2014.

Com o porto funcionando, a Usiminas prevê elevar o volume de vendas de minério de ferro em 2014, quando espera que o preço da commodity no mercado internacional fique em torno de 125 dólares, perto do patamar previsto para o final deste ano. Os executivos não comentaram quando e quanto a empresa espera receber da parcela de compensação que estão cobrando da MMX.

Bruijn comentou que a primeira etapa do projeto de ampliação de capacidade de produção de minério de ferro, para 12 milhões de toneladas anuais, conhecido como "Friáveis", está com 95 por cento das obras concluídas e se mostrou otimista sobre aprovação no início do próximo ano da segunda etapa da expansão.   Continuação...