Estoque de petróleo da China diminui em julho apesar de importação recorde

quinta-feira, 22 de agosto de 2013 09:27 BRT
 

PEQUIM, 22 Ago (Reuters) - Os estoques comerciais de petróleo declinaram pelo segundo mês seguido ao final de julho apesar do recorde de alta nas importações, disse a agência de notícias estatal Xinhua nesta quinta-feira, com as refinadoras retomando a produção após suas manutenções.

Os estoques caíram 1,62 por cento ante junho, de acordo com a China OGP, uma publicação da Xinhua que acompanha os estoques mensalmente. Mas não menciona volumes.

A China, maior importador de petróleo depois dos EUA, comprou um recorde de 6,15 milhões de barris por dia em julho, com as refinarias recompondo estoques para atender às operações crescentes e aos testes de um novo separador de condesado.

Os estoques de combustíveis nas refinarias caíram 5,01 por cento em julho ante o mês anterior, disse a OGP.

A queda nos estoques de combustíveis foi liderada pela gasolina, cujos estoque recuaram 7,15 por cento no mês, enquanto os de diesel caíram 3,45 por cento e os de querosene perderam 3,78 por cento.

O governo raramente abre os níveis de estoques de petróleo tanto comercial quanto os estratégicos, dificultando uma avaliação real da demanda na China, o segundo maior consumidor global de petróleo.

A demanda aparente por petróleo subiu 5,5 por cento em julho ante um ano atrás, de acordo com cálculos da Reuters baseado em dados oficiais, uma vez que as refinarias retomaram a produção após a manutenção e em meio às expectativas de que o crescimento da economia pode estar se estabilizando depois de dois anos de desaceleração.

(Reportagem de Chen Aizhu)