Regulador italiano diz que Monte dei Paschi o enganou em 2012

sexta-feira, 23 de agosto de 2013 12:51 BRT
 

MILÃO/ROMA, 23 Ago (Reuters) - O regulador de mercado de capitais italiano, Consob, alegou no início do ano que o banco Monte dei Paschi di Siena dificultou a atividade dos reguladores, fornecendo informações incompletas ou incorretas em 2012, quando sua nova diretoria já estava no comando.

Um documento do Consob enviado a procuradores em Siena em fevereiro afirma que em abril de 2012 o banco forneceu informações que "não eram verdadeiras ou enganavam" sobre um instrumento financeiro híbrido, conhecido como Fresh 2008, que o Monte dei Paschi usou para financiar parcialmente sua compra do rival Antonveneta em 2008.

No documento, visto pela Reuters, o Consob também alegou que o banco da Toscana escondeu a verdadeira natureza de um contrato de derivativo de 2009 com o janponês Nomura, conhecido como Alexandria, numa séria de respostas escritas que deu ao Consob entre novembro de 2011 e outubro de 2012.

O Consob não quis comentar e o Monte dei Paschi não estava imediatamente disponível para se manifestar.

O ex-presidente do conselho do banco, Giuseppe Mussari, e o ex-diretor geral, Antonio Vigni, estão sob investigação pelo negócio com o Antonveneta e por uma série de prejuízos com negociações de derivativos, incluindo o Alexandria.

Eles foram substituídos pelo presidente-executivo Fabrizio Viola, que assumiu em janeiro de 2012, e pelo presidente do conselho Alessandro Profumo, que foi indicado em abril de 2012.

(Por Silvia Aloisi e Stefano Bernabei)

 
Sede do banco Monte Dei Paschi fotografado em Siena. O regulador de mercado de capitais italiano, Consob, alegou no início do ano que o banco Monte dei Paschi di Siena dificultou a atividade dos reguladores, fornecendo informações incompletas ou incorretas em 2012, quando sua nova diretoria já estava no comando. 24/01/2013. REUTERS/Stefano Rellandini