Com impulso de construtoras, Bovespa fecha em alta e acima dos 52 mil pontos

sexta-feira, 23 de agosto de 2013 18:01 BRT
 

SÃO PAULO, 23 Ago (Reuters) - A Bovespa fechou em alta nesta sexta-feira, impulsionada pelos ganhos das construtoras e do setor financeiro, em meio à forte queda do dólar após o anúncio de medidas do governo para tentar conter a escalada da divisa norte-americana ante o real.

O Ibovespa fechou na máxima da sessão, com alta de 1,56 por cento, a 52.197 pontos, seu maior patamar em 11 semanas. Na semana, o Ibovespa subiu 1,28 por cento.

O giro financeiro na sessão desta sexta-feira foi de 9,5 bilhões de reais.

A alta do índice ocorreu em meio à queda de 3,2 por cento do dólar ante o real, após o Banco Central ter anunciado na véspera plano para a injeção potencial de 60 bilhões de dólares no mercado até o fim do ano.

A trajetória da moeda também puxou para baixo as taxas de juros futuros, à medida que reduziu temores de pressão inflacionária provocada pela variação cambial.

Nesse cenário, foram destaque de alta na bolsa paulista os papéis das construtoras, como PDG Realty, Rossi Residencial e Gafisa.

"Com a descompressão do câmbio, há também uma menor pressão para o BC estender o ciclo de aperto monetário. Os juros futuros estão caindo forte, o que favorece as construtoras", afirmou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

O setor financeiro também deu força ao índice, com destaque para Itaú Unibanco e Bradesco.

Na outra ponta, empresas exportadoras como CSN CSNA3.SA>, Gerdau, Suzano, Fibria e Marfrig apareceram entre as principais quedas, após os papéis terem sido favorecidas recentemente pela alta do dólar. As ações da Vale também fecharam em queda.   Continuação...