Relação de troca adubo-grãos é favorável a produtor apesar de dólar--Anda

segunda-feira, 26 de agosto de 2013 13:33 BRT
 

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO, 26 Ago (Reuters) - A relação de troca entre fertilizantes e grãos segue favorável ao produtor rural apesar da forte alta recente do dólar, uma vez que o repasse do custo maior por parte das empresas está sendo feito em ritmo inferior ao da valorização cambial, avaliou nesta segunda-feira o diretor-executivo da associação que reúne a indústria (Anda).

"De modo geral, o viés de alta nos preços de fertilizantes não está acompanhando na mesma velocidade (a valorização do dólar)... A relação de troca não é a mesma, mas ainda está favorável ao produtor", disse o diretor-executivo da Anda, David Roquetti Filho, a jornalistas no intervalo de um congresso do setor em São Paulo.

O dólar acumula alta de mais de 17 por cento desde o início de maio e opera no maior patamar em mais de quatro anos.

O Brasil importa cerca de 70 por cento de sua demanda total por fertilizantes, e detém uma fatia de 6 por cento do consumo mundial, atrás de China que tem 33 por cento, Índia com 17 por cento e Estados Unidos com 12 por cento.

Neste cenário, o país é vulnerável às oscilações de preços do mercado internacional, lembrou o executivo.

As vendas de fertilizantes no Brasil cresceram 5,5 por cento de janeiro até julho na comparação com o mesmo período de 2012, para o recorde de 15,1 milhões de toneladas, segundo levantamento mensal da Anda.

O Brasil está se preparando para o cultivo da safra de verão da temporada 2013/14, que tem início a partir de meados de setembro, com forte demanda dos produtores por insumos.

O setor deve encerrar o ano com volume recorde de vendas em cerca de 30,5 milhões de toneladas, segundo estimativa da GO Consultores citada pelo diretor da Anda.   Continuação...