Casa Branca ainda não começou a analisar Yellen para comando do Fed--fontes

quarta-feira, 28 de agosto de 2013 10:21 BRT
 

Por Mark Felsenthal e Jonathan Spicer

WASHINGTON/NOVA YORK, 28 Ago (Reuters) - A Casa Branca ainda tem que começar a analisar a vice-chair do Federal Reserve, Janet Yellen, para assumir o principal cargo do banco central norte-americano, de acordo com três fontes com conhecimento da situação, depois que uma reportagem informou que o processo de avaliação já começou para o principal rival dela ao cargo.

A escolha de um substituto para o chairman do Fed, Ben Bernanke, cujo segundo mandato termina em janeiro, é uma das tarefas mais importantes que o presidente Barack Obama enfrenta. A Casa Branca comunicou que o presidente ainda não tomou sua decisão e que nenhum anúncio é provável até o outono (no hemisfério norte).

Ainda assim, baseado em comentários do presidente e de reportagens, o processo de seleção tornou-se, pelo que parece, uma competição entre Yellen e o ex-conselheiro econômico da Casa Branca Lawrence Summers.

A CNBC noticiou na segunda-feira que Summers deve ser nomeado chairman do Fed em poucas semanas mas que ainda estava sendo analisado e que o processo pode demorar um pouco mais. Na terça-feira, a CNBC descreveu sua fonte como alguém "muito próximo mas de certa forma excluído" do processo. A Reuters não conseguiu verificar a reportagem.

Muitos observadores de fora acreditam que a associação próxima de Summers com Obama faz dele o favorito, e a sugestão de que Obama ainda tem que começar o processo para determinar se pode haver algo problemático no passado de Yellen reforça essa visão.

"Não acho que isso seja decisivo. Mas é uma indicação", disse uma fonte próxima à Casa Branca.

Todas as fontes se recusaram a ser nomeadas, dada a sensibilidade da decisão. A Casa Branca recusou-se a comentar sobre o assunto e uma porta-voz do Fed disse que Yellen não pode ser imediatamente contatada para comentar.

O processo formal de avaliação começa na Casa Branca. Assim que o presidente estabelecer os candidatos, será pedido que o FBI, a polícia federal norte-americana, realize uma investigação e cheque informações.