Novo presidente da Vestas foca em retorno de lucratividade

sexta-feira, 30 de agosto de 2013 12:14 BRT
 

COPENHAGUE, 30 Ago (Reuters) - O presidente-executivo da deficitária fabricante dinamarquesa de turbinas eólicas Vestas disse que seu maior desafio é o retorno da empresa ao lucro e garantir sua posição como líder no mercado mundial.

Anders Runevad, 53, que passou a maior parte de sua carreira na fabricante sueca de equipamentos para telecomunicações Ericsson, disse que estava certo de que a Vestas poderá ganhar de volta a confiança dos investidores, golpeada por cinco alertas de lucro nos últimos oito anos.

Runevad, que assume o cargo na segunda-feira, substitui Ditlev Engel, que saiu no início deste mês depois de não conseguir transformar a empresa com um programa de cortes de empregos e fechamento de fábricas.

A Vestas - que enfrenta duas ações judiciais de investidores - teve prejuízo líquido nos últimos dois anos, atingida por uma economia global fraca e por cortes nos subsídios para energia renovável por parte de governos com poucos recursos disponíveis.

"Há definitivamente um grande trabalho pela frente para restaurar a lucratividade", disse Runevad, à Reuters em entrevista na sexta-feira. "A confiança dos investidores vem com rentabilidade e construção de um negócio estável", disse ele.

A Vestas demitiu 5.468 funcionários desde o final de 2011 e espera cortar pelo menos 1.253 mais. Isso deve deixar a empresa com um máximo de 16 mil funcionários até o final deste ano.

A chegada de Runevad coincide com sinais de que a Vestas pode ter passado pelo pior. Na semana passada, a empresa divulgou uma queda de 33 por cento no lucro do segundo trimestre antes de juros e impostos (Ebit, na sigla em inglês) que foi menor do que os analistas previam.

O preço da ação triplicou desde o início do ano, mas está 85 por cento abaixo de seu pico de 2008.

"Eu acho que existem alguns muito bons sinais de execução e de que as coisas vão virar", disse Runevad, referindo-se a uma melhoria geral na economia mundial e nos resultados da Vestas. "As coisas estão começando a parecer um pouco mais estáveis", disse ele.

(Por Mette Fraende)