1 de Setembro de 2013 / às 13:38 / em 4 anos

EUA afirmam que gás sarin foi usado em ataque na Síria

Secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, discursa sobre a situação na Síria, em Washington. Kerry disse neste domingo que testes provaram o uso da arma química sarin em ataques na Síria. 30/08/2013 REUTERS/Larry Downing

WASHINGTON, 1 Set (Reuters) - O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse neste domingo que testes provaram o uso do gás venoso sarin em ataque na Síria.

Kerry fez a revelação em uma série de entrevistas televisivas um dia após o presidente Barack Obama atrasar uma iminente ação militar na Síria para buscar o apoio do Congresso norte-americano --uma decisão que adia qualquer ataque por pelo menos 9 dias.

“Isso agora está completamente nas mãos do Congresso”, disse o secretário ao canal CNN, acrescentando que tinha confiança de que a instituição “vai fazer o que é certo, pois eles entendem os riscos”.

Kerry não quis dizer se Obama iria em frente ou não com a ação militar caso o Congresso rejeite o pedido do presidente. Mas repetindo os comentário de Obama no sábado, ele insistiu que o presidente tem o direito de agir por conta própria.

Obama afirmou no sábado ter decidido que o país deve adotar uma ação militar contra alvos do governo sírio, mas ressaltou que irá buscar a aprovação do Congresso norte-americano antes de fazê-lo.

Obama está fazendo uma aposta ao frear a ação militar, a qual já deixou claro ser necessária para manter a credibilidade dos EUA sobre a proteção de uma “linha vermelha” para o uso de armas químicas, limite que o presidente norte-americano diz ter sido cruzado pelas forças de Bashar al-Assad.

A medida, no entanto, reflete um desejo de dividir com o Congresso qualquer responsabilidade sobre a intervenção na guerra civil na Síria em um momento no qual os norte-americanos se mostram cansados de guerras como no Iraque e Afeganistão.

Enquanto legisladores ainda devem ser informados pela equipe de segurança nacional de Obama sobre a análise do governo para a ação militar, Kerry usou uma série de aparições em canais de televisão para fornecer mais evidências que corroboram as acusações contra o governo sírio.

“Eu posso compartilhar hoje com vocês que as amostras de sangue e cabelo que chegam até nós através de uma cadeia de custódia adequada, da região leste de Damasco, dos primeiros socorristas, testaram positivo para traços de sarin”, disse Kerry à CNN.

Foi a primeira vez que o governo Obama identificou o tipo de produto químico que foi utilizado no ataque a uma área controlada pelos rebeldes no dia 21 de agosto, e que segundo as agências de inteligência dos EUA matou mais de 1.400 pessoas, muitas delas crianças.

O apoio do Congresso não está, de maneira nenhuma, assegurado, com vários democratas e republicanos desconfortáveis sobre intervir em uma guerra civil distante na qual mais de 100 mil pessoas foram mortas nos últimos 2 anos e meio.

A maior parte dos legisladores comemoraram a decisão de Obama, mas não pareciam com pressa para voltar a Washington antes do fim de seu recesso de verão, que vai até 9 de setembro

Visando “preparar o terreno” para o que se espera que seja um acalourado debate parlamentar, Kerry evocou repetidas vezes a segurança de Israel como uma das razões cruciais de se autorizar uma resposta militar na Síria. Os legisladores de ambos partidos políticos reconhecem o como é importante para o país ser visto como defensor de Israel, cuja segurança geralmente é uma importante questão de política externa em campanhas eleitorais domésticas.

O presidente republicano do comitê de inteligência da Câmara dos Deputados, Mike Rogers, disse à CNN: “Acho que existem alguns desafios reais. Eu acho que no final o Congresso estará à altura da ocasião. Esta é uma questão de segurança nacional.”

O senador republicano Rand Paul, do Kentucky, falando à NBC, revelou uma visão mais cética.

Embora tenha dito que estava “orgulhoso” de Obama pelo presidente ter buscado a aprovação do Congresso, Paul disse: “É no mínimo 50-50 se a Câmara vai votar contra o envolvimento na guerra da Síria.”

“Acho que o Senado vai aceitar o que ele quer”, disse ele. “Na Câmara haverá uma votação mais apertada.”

O presidente dos EUA, em um discurso feito na Casa Branca, disse que havia autorizado o uso de força militar para punir a Síria por conta de um ataque com armas químicas realizado em 21 de agosto.

Navios da Marinha estão na região aguardando ordens para lançar mísseis, e os inspetores da ONU deixaram a Síria depois de reunir provas sobre o suposto ataque.

Reportagem de Thomas Ferraro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below